quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A FÉ PELO TESTEMUNHO DE VIDA ( 1° parte )

Ir até as ultimas consequências! E depois considerai um servo inútil, nisto está  a  Missão.
    Sou o que sou pela Graça de Deus, nasci em uma familia Católica bem sucedida, dentro dos padrões da época. Quando nasci já no mesmo dia fui batizado na Paróquia Santo Antonio em Formosa do Oeste Pr, pelo Pe.Dante em Dezembro de 1964. Meus Pais por diversos motivos perderão todos os bens materiais que possuia, eu desde criança tive que aprender a sobreviver na pura miséria, a região em que eu morava era conhecida como o ninho da cobra, na luta pela sobrevivêcia tive que aprender a viver junto com elas.
     Meu Pai me ensinou tudo, me ensinou a pegar no campo cada uma delas. Mas a miséria estava ali, eu não consequia vencer ela.
Fui ser uma criança de rua, mas também na rua para poder sobreviver tinha a lei do mais forte. Fui engraxar sapatos, mais não conseguia ganhar nada, para comer eu ia nas caixas de lixo onde os mercados jogava as frutas que estavão podres e não servia para mais nada, onde os cachorros da rua vinham comer e eu comia junto com eles.
     Um dia eu estava com muita fome passei em frente a um escritório, tinha um homen de terno preto, de pé cuidando para que eu não chegasse mais eu cheguei e disse: - senhor eu estou com fome, o senhor não quer engraxar o sapato, para que eu consiga um dinheiro  para eu comer, - não você não vê que estou vedendo, saia já deste escritório eu estou esperando um cliente, se ele chegar aqui e ver você eu vou perder meu negócio, - mais é que eu to com fome,- suma daqui moleque voce não tem Pai não. Outra vez eu tive que ir comer com os cachorros, comecei aprender na luta pela sobrevivência a ser como uma serpente.
     Mais a fome estava ali eu não conseguia vencê -la. Um dia cheguei em casa, passando mal e com muita dor de cabeça, e desmanhei e não acordei mais. Meus Pais não sei como me levarão para o hospital. O médico que me atendeu que era o dono do hospital, disse aos meus Pais: - esse menino tá com menigite e existe dois tipos de menigite um tem cura o outro não, a doença que ele tá não tem cura. O poblema é que o menino já esta morto, a menigite colocou uma dor tão forte no cerébro do menino que o cérebro morreu a Única coisa que ainda funciona nele é o coração.
Minha Mãe entrou em desespero, meu Pai não sabia o que fazer. Mais o médico procurou acalmar minha Mãe e meu Pai dizendo: - olha veja o lado bom da situação, se este menino vivesse a esta doença ele não seria mais uma criança normal a senhora teria que coloca-lo em uma cadeira de rodas e viver pra sempre cuidando de uma criança especial, e isso Mãe seria muito triste, olha o lado bom,  mais minha Mãe disse: -  mais eu não aceito esta situação mesmo assim eu quero meu filho de volta. O médico então disse: - eu já disse que o menino está morto, eu vou fazer assim já que o coração dele ainda está batendo bem fraco eu vou esperar 3 horas e depois disso eu do o atestado como morto. Minha Mãe disse: -  mais eu sou Católica sou filha de Maria, sou do Sagrado Coração de Jesus, e tirou o Terço e começou a rezar, Ave Maria cheia de graça; nos perdemos tudo o que nos tinha na vida, agora vamos perder mais o meu filho, eu quero meu filho de volta devolva ele; Ave Maria cheia de graça, devolva meu filho eu sou Católica, e ali minha Mãe fico 1 hora, 2 hora. A erfermeira do hospital, chegou até minha mãe e procurou consolar minha Mãe: -  ó senhora, é a vontade de Deus a senhora precisa compreender seu filho ja está morto, - não não eu não aceito eu sou do Sagrado Coração de Jesus eu quero meu filho,  deu as 3 horas e o médico atestou como  morto.
    Naquela época tinha que tirar a medida do corpo e levar para um carpinteiro fazer o caixão, enquanto meu Pai foi levar as medidas, minha Mãe continuou ali do meu lado só ela e eu. E meu Pai voltou e disse: - pra minha Mãe tudo que era pra ser feito, já foi feito e o médico entrou no quarto e começou a conversar com meu Pai e minha Mãe, e nesse momento  eu voltei, voltei com uma vocação pra ser missionário leigo.
     Um dia um Padre do Santuario de Aparecida foi até a cidade que nós moravamos, e o Padre chamava Pe.Vitor , minha mãe me disse:-  filho amanhã nós vamos assistir uma Missa com o Padre Vitor, é a tua chance peça pra N.Senhora Aparecida te ajudar a crescer na vida. Naquele dia tinha uma multidão de pessoas dos dois lados da rua que queriam ver o Padre passar com a imagem de N.Senhora da Aparecida, nós estavamos lá, no meio de tanta gente o Padre parou e veio até a mim e  colocou sua mão sobre minha cabeça, na outra mão ele segurava a imagem de N.Senhora e disse: - N.Senhora da  Aparecida, gosta muito de você, eu olhei para o Padre e disse: -  mais fala para ela que eu estou cansado de não ter o que comer e de não ter o que vestir. O Padre sorriu, tirou o Terço do bolso e me deu, depois daquele dia comecei a perceber que as coisas estava mudando.
 Ass.Tarcisio Cirino 23 Novembro 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário