domingo, 19 de setembro de 2021

O QUE FARIA SÃO VICENTE DE PAULO: DIANTE DA CONJUNTURA DO MUNDO ATUAL?

 Mês da Bíblia e com está mensagem penso levar os amigos à refletir o que faria Pe.Vicente de Paulo nos dias atuais, diante da conjuntura eclesial e das pandemias que estamos vivenciando no mundo, hoje.


Em nosso tempo, corre se o risco de nós cristãos católicos ficarmos aprisionados em uma sala, reunião ou em uma assembleia com os escritos de nossa biblioteca e esquecermos a ordem de Jesus a seus discípulos e o tesouro que possuímos através de nossa profissão de fé, esquecendo da ação do eterno na providência divina. 

Conheço um homem que chegou ao terceiro céu e viu os governos desse mundo e o seu fim.

Deus é misericordioso e fala em nosso tempo, em nossa consciência, também, através dos fatos cotidianos da história que acontecem na casa comum e são noticiados pelas mídias na sociedade e suas consequências com o fenômeno do nascer e por do sol.

Amigos; nos dias atuais alguém dizer que é católico já não significa nada e particularmente sinto que precisamos ser cristãos ou seremos mais um em meio a multidão como que um pagão.

É dentro deste contexto que nos dias atuais precisamos da ação do espirito missionário cristão de São Vicente de Paulo.  

Pe.Vicente de Paulo não foi analfabeto institucional e soube com sabedoria fazer a leitura do tempo, sendo o protagonista do coração do evangelho e com a força da boa notícia, alimentou os mais pobres em suas necessidades materiais e espirituais. 

E como sair da paralisia e construir o reino do eterno?

Nos últimos 20 anos, uma Paróquia Vicentina foi uma das pioneiras no rito do catecumenato com o Pe.Gilson Camargo CM e no transcorrer da década para aumentar o número de catecúmenos e obras da Fé, aconteceu um projeto missionário denominado: Áreas Missionárias que revolucionou a Igreja doméstica no setor e outras regiões fora de Curitiba, germinando catecúmenos na Paróquia Vicentina até o momento atual através da ação missionária bem organizada que teve início com a motivação: Pe.Marcos Gumieiro CM e o Pároco: Pe.Simão Valenga CM. 

Nos últimos anos em especial com a pandemia e falecimentos nas áreas, muitos se desmotivou.

Sugestão 2022: As Irmãs Vicentinas com a Imagem de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa poderia fazer o oratório e assim se possível com ajuda do Pe.Marcos Gumieiro, Pe.Simão Valenga, que são conhecedores do projeto das Áreas Missionárias e demais co-irmãos, poderia dar ênfase, melhorando e motivando o trabalho missionário em todas Paróquias Vicentinas e assim até: São Vicente de Paulo, Nossa Senhora e seu filho Jesus, vem ao nosso encontro nos ajudar e agradecer com um forte abraço ás iniciativas e motivações da construção do reino de Deus. 

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

sábado, 4 de setembro de 2021

BÍBLIA: A VERDADEIRA RELIGIÃO E A SEMANA DA PÁTRIA!

Em tempos de Jesus pop star: vivemos em meio a muitos amuletos, poluição virtual ou campanhas publicitárias que tem como objetivo levar ás consciências para "religião" através de cursos virtuais.

Amigos: será que a gente consegue aprender andar de bicicleta e ser um bom ciclista em território pedregoso através de curso nas redes sociais?

A oração é como aprender andar de bicicleta e quando verdadeiramente no caminho fazemos a experiência, aprendendo á andar, comunicar ou dialogar com o Senhor a espiritualidade nos impulsiona a ser Igreja e a partir dai não vivemos mais de teorias, não vivemos mais só de ouvir e como missionários em ação que escuta a palavra de Deus, somos impulsionados através da força do espírito santo a testemunhar o projeto do reino, sabendo que o diabo é fundamentalista e até já tentou Jesus no monte com a Bíblia.

E como saber qual é a religião pura e verdadeira onde Deus fala hoje?

A liturgia do último domingo, nos da uma pista um sinal, onde o Senhor fala que a verdadeira religião é aquela que seus discípulos cuida das viúvas, pobres, necessitados e por ai vai.

Veja amigos que interessante o Senhor poderia dizer que a religião pura e verdadeira é aquela que ás pessoas ficam em casa ou dentro dos templos, rezando dia e noite. Aliás de nosso ponto de vista já é um começo, mais não foi isso que o mestre ensinou.

O fato é que Jesus mostrou que á sua Igreja é aquela que não fica atrás de tradicionalismos e sim aquela que defende a vida, cuida das viúvas, desamparados e não deixa se contaminar pelos esquemas de governos desse mundo, pois não somos a Igreja do marketing que louva só com os lábios e SIM somos a Igreja que se refugia no Coração de Jesus e procura viver o seu mandamento de amor em meio ao mar em fúria.

Você já parou para refletir quantas pessoas ficaram viúvas, viúvos, órfãos, desempregados, refugiados, e estão em lágrimas, pelas avenidas e lugarejos sem casa para o repouso ou estão nos hospitais, enfermos, a espera da visita de suas famílias que passam por muitas necessidades materiais e espirituais nesse tempo de pandemia?

Enquanto isso a cegueira espiritual vai crescendo e muitos até do meio eclesial, perderam o discernimento e estão mais preocupados com os esquemas do feriado da pátria e LIVE sem audiência que só os clericalizados vê. 

Rezemos para que sejamos a Igreja das obras da FÉ, Igreja em saída, sendo solidária na oração e caridade para que a menos possamos amenizar o sofrimento de quem sofre... Amém!

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino



 

sexta-feira, 27 de agosto de 2021

A SALVAÇÃO ESTÁ NA CONVERSÃO DE CATÓLICO Á CRISTÃO.

 

A comunicação que não leva o homem refletir com os pés no chão a cultura sistêmica dos alicerces da pirâmide que produz a indiferença e suas consequências existenciais na sociedade é uma comunicação alienante, imatura, que germina uma fé insossa, pois não motiva nossa geração: pensar, questionar e se comprometer com o projeto da ação de Deus. 

Vivemos em uma aldeia cada um em seu condomínio em sua tribo e nos encontros a todo instante surgem questionamentos sobre o sujeito eclesial, políticas públicas, a ética, moral, formação dos ramos vocacional e sua eficácia ou ineficácia na conjuntura social e como fortalecer o protagonismo eclesial em uma sociedade oriunda de uma catequese imatura de conhecimento e sem experiências de fé em uma aldeia global governado pelas mídias?

Instituições ou organizações que antes da pandemia parecia ser imortal com suas estruturas e certezas, chegaram agora ao limite e estão vagando como fumaça pelo vento e com o tempo, podem deixar de existir.

Em meio as incertezas, radicais enviesado com as manias de perseguição utilizam a instrumentalização e com a força das mídias sociais, trabalham ás consciências com os seguintes argumentos..

Durante séculos a instituição assistiu o sepultamento dos imperadores, reinados, governos e todas gerações do passado que nos perseguiram. Hoje ás dificuldades que estamos passando é culpa da modernidade, é culpa das espiritualidades com foco em defender a ecologia, é culpa da pandemia oriunda da nova ordem mundial, é culpa do motu próprio Traditionis Custodes, e por ai vai a manipulação das consciências. 

Parece  que essas lideranças tem dificuldades em olhar no espelho e assumir seus erros dando testemunho de vida e como talibãs não querem compreender o espírito da Igreja em saída na conjuntura atual e fazem do passado um meio para seus próprios interesses que culmina em recusar o conhecimento que vem da reflexão: fé e razão e assim transformam parte do seguimento religioso em um fideísmo.

A Fé é um dom um presente que Deus concede na conversão do coração de pedra e diante do contexto a salvação está na conjuntura da Igreja em saída.

Dito isso, de nosso ponto de vista; precisamos nós todos a começar por mim, deixar Deus retirar o coração de pedra e nos transformar de vaso católico em Cristão e isso não significa mudar de religião e sim uma mudança interior de comportamento e mentalidade.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

sexta-feira, 13 de agosto de 2021

NOSSA REFLEXÃO: O MISTÉRIO DA ASSUNÇÃO NA CONJUNTURA ATUAL.

Mulher não tinha voz e era escrava dos esquemas da estrutura cultural e politica em tempos de governos contemporâneos do império romano e diante da conjuntura social, Maria a Mãe do ressuscitado ficou esquecida por quase quatro séculos e como compreender a rainha do céu na conjuntura social do nosso tempo?

No pós ressureição do filho de Deus, os apóstolos enfrentaram muitas dificuldades no processo de evangelização, pois, se falassem da Mãe do ressuscitado em regiões do mundo que era dominado pelas culturas dos "deuses matriarcais" corria se o risco da Mãe de Deus, ser  equiparada pelo povo aos deuses da época a exemplo da grande deusa: Isis, Artemis, Creta e outras(os).   

Quando o cristianismo passou a ser a religião oficial do império romano o Papa Silvestre começou a reformar o calendário romano, retirando os feriados dos deuses pagãos para dar lugar á liturgia da solenidades cristãs. 

Para a mentalidade cultural da época as solenidades cristãs estava carente da figura feminina maternal e a partir dai, Nossa Senhora começa a preencher essa lacuna mostrando para o mundo que o cristianismo tem uma Mãe e começa os conflitos.   

Cirilo de Alexandria com objetivo de combater as heresias e com apoio do Bispo de Roma, convocou no ano 431 o Concilio de Éfeso, com a presença de 250 Bispos e outras autoridades e no fim o patriarca São Cirilo atinge os objetivos vencendo as heresias e a Mãe de Jesus é agraciada com o titulo Theotókos ( Mãe de Deus ).

No dia 1° Novembro 1950 através da Constituição Apostólica Munificentissimus Deus, o Papa Pio XII proclamou o dogma da assunção de Nossa Senhora ao céu de corpo e alma e sua festa é celebrada no dia 15 agosto.

Pio XII: pela autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos santos apóstolos Pedro e Paulo e em nossa própria autoridade, pronunciamos, declaramos e definimos como sendo um dogma revelado por Deus que a Imaculada Mãe de Deus a sempre virgem Maria, tendo completado o curso de sua vida terrena foi assumida, corpo e alma na glória celeste.

Nos dias atuais é possível que a polarização politica com foco na colonização das consciências, tenha influenciado "videntes" das comunidades tribal, produzindo no mundo, o "fenômeno das manifestações de Maria" com hora marcada, onde mensagens podem estar sendo manipuladas nas mídias sociais em prol de sistema de governo, onde parece que utilizam o sentimento maternal para atingir as consciências com fins politico, onde "Maria" só falta falar para o povo o nome do candidato a governante que é para ser votado na próxima eleição.

Diante do contexto as problemáticas do passado estão presentes na modernidade com sérios prejuízos a curto e longo prazo para ás próximas gerações no que se refere ao processo da evangelização e salvação.

Em síntese a fé é um mistério que produz a semente da salvação e na força do ressuscitado a fé vem por escutar e escutar no silêncio a mensagem que vem Deus, para que possamos testemunhar até as últimas consequências na firme esperança que em breve seremos chamado para conhecer de perto a casa que Ele o Senhor Jesus foi preparar para que estejamos todos juntos em comunidade no reino definitivo com Nossa Senhora celebrando o mistério do reino de Deus.

Enquanto esse glorioso dia não chega o cristão de hoje, não pode ficar como um poste a beira do caminho a espera do gênio da lâmpada em busca de milagres e revelações, pois o ressuscitado já está em nosso meio, através da mesa da palavra e do pão. 

Dito isso, fiquemos nós do seguimento cristão com a mensagem do Evangelho.

Fiquemos com o mistério do rosário, com Maria da espiritualidade do silêncio a Mãe de Jesus e nossa Mãe que foi assunta ao céu, aquela que os evangelistas por estratégias pouco falaram a Mãe de Deus. Amém..

Salve Maria!

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

Foto da Internet

domingo, 1 de agosto de 2021

VOCAÇÕES: A SAÍDA É REFUGIAR NO CORAÇÃO DE JESUS.

O romancismo por vezes esconde a conjuntura social de um mundo sombrio onde o povo sai de seu lar de sua terra, sua comunidade e vai pelas tempestades em busca de um refúgio na esperança de encontrar o pão da sobrevivência para seus filhos a sua descendência em meio ao caos. 

Amigos: recebemos em nossa caixa de mensagens, sugestões para as nossas reflexões semanais, para refletir sobre o mês vocacional e outros temas da conjuntura social atual e para sair de uma comunicação muito institucional, fazemos nossas reflexões, através da leitura de nossas próprias experiências vividas.

Meus antepassados por parte de minha mãe saíram da Síria e foram na esperança para a Itália e mais tarde diante das consequências da primeira guerra mundial, vieram para o Brasil.

Como católicos que buscam a boa convivência em comunidade os imigrantes foram inserindo nas realidades e transmitindo a seus filhos ás práticas da cultura religiosa e política do Brasil.

Com o nascimento de uma nova geração os filhos no campo desde o berço foram aprendendo e conhecendo as famílias pioneiras das comunidades paroquiais, pois; vereadores, prefeitos, deputados, governadores, eram todos de famílias abastadas que generosamente contribuíram ou construiram os templos das comunidades de fé.

Em 1955 aconteceu no Rio de Janeiro o primeiro Congresso Eucarístico do Brasil, e um jovem negro do interior do Paraná foi participar do congresso e chegando no Rio de Janeiro foi acolhido pelo jovem Bispo Dom Hélder Câmara.

Dom Hélder Câmara ao acolher em sua casa o jovem negro chamado José, perguntou sobre a sua história, sua família e o que motivou a vim do Paraná participar do Congresso da Eucaristia?

José falou dos sonhos que tinha e preconceitos que sofria diante da conjuntura social e após contar a sua história o bispo comovido tirou de seu dedo um anel e colocou no dedo do jovem José e o abençoou.

Tempos depois José conheceu uma jovem descendente das famílias que vieram da Itália, casou e se tornou meu Pai e ai diante da opressão do campo no contexto do fenômeno em massa no que se refere ao êxodo rural no final da década dos anos 70, viemos para a capital do Paraná só com a roupa do corpo e o refúgio no Sagrado Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Quando participando e conhecendo as comunidades de fé fomos compreendendo através do testemunho das lideranças das comunidades que também aqui a exemplo das comunidades do interior: Aqui sempre foi assim!

Diante do contexto "Aqui sempre foi assim" é possível compreender um pouco do porque vivemos em um país preconceituoso e polarizado. 

Agosto mês vocacional tempo de reflexão, tempo de rezar por todas vocações: Rezemos..

Nossa Reflexão: Tarcisio Cirino

domingo, 25 de julho de 2021

CISMÁTICOS: ELES ESTÃO EM NOSSO MEIO!

Sem conhecer o passado de nosso ponto de vista fica impossível compreender a profundidade dos radicais no mundo atual e assim possamos encontrar a chave e arrancar os espinhos que foram colocados pelo caminho.

Quando éramos jovens ia onde queríamos mais agora somos anciãos, somos vovôs. 

Antes que em minha memória eu esqueça de ti e as experiências vividas na juventude, quero lhe dizer que o fenômeno de Medjugorje e outras aparições recentes do século pode ter influenciado nos últimos 40 anos, gerações de católicos que buscam sinais ou milagres no campo político e religioso, produzindo o lucrativo sistema do turismo das almas dos empresários da fé, que cresceu e muito em especial em tempos de crises existenciais.

Com outras palavras contava se por aqui, que Curitiba, desde os tempos da primeira guerra mundial é a Suíça brasileira e os investimentos que são feitos nas sementes do campo os passarinhos vem pelo caminho e leva os frutos.

Dito isso, ainda jovem na capital paranaense, estava eu lá no centro cívico nos anos 80, ouvindo bem de perto a voz de nosso Pastor: quando pela primeira vez na história do Brasil um Papa, por 12 dias visitou cidades de nosso país.

Na sequência no transcorrer da década dos anos 80, para fortalecer o advento das mensagens de aparições em nosso tempo vieram ao Brasil, Curitiba, a vidente de Medjugorje.

Através de convite de amigos e curioso fui visualizar de perto a mensagem de Nossa Senhora no grupo de oração e quando retornei para casa, reflexivo com o que visualizei, meu Pai veio ao meu encontro e perguntou e ai filho, como foi o grupo de oração? O que você sentiu filho da mensagem de Nossa Senhora à vidente? 

Sei lá Pai, parece que Nossa Senhora não é mais do silêncio, essas aparições recentes tem uma tendência ou vocação para promover o rosto de um esquema político.

Mais filho o que fez você pensar isso? O evangelho Pai..

Nas próximas semanas continuamos está 1° parte da reflexão.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

domingo, 18 de julho de 2021

O BOM PASTOR DÁ A VIDA POR SUAS OVELHAS.

Desde a criação, passando pelas tribos dos patriarcas o Pai foi comunicando com seus filhos no deserto e guiando a verdes pastagens através dos profetas em tempos também de juízes, onde já naquele tempo existia muita corrupção e diante da conjuntura de repente o povo olha para o mundo a sua volta e percebe que existe governos que produz uma tal "alegria" onde o povo é governado por sistemas que oferece uma espécie de direitos e garantias ao povo e diante da corrupção dos tempos dos juízes o povo não quer mais ser guiado por: Pastor ou profeta que fala em nome de Deus e pede um rei.

Samuel  fica triste com a situação febril da conjuntura em que está inserido e vai conversar com Deus, que fala ao profeta se é um rei que eles querem então de um rei a eles, mais diga ao povo, quais são às consequências e mesmo assim o povo faz a sua escolha através de um processo para ter como governante o formoso guerreiro Saul para ser o rei.

Com o transcorrer dos séculos os governos que sucederam o rei Saul, Davi, Salomão e outros, levaram o povo de Deus para escravidão e agora no exílio começam a se lembrar de suas origens e como Javé foi bom guiando pelo deserto e conduzindo o povo a terra que mana leite e mel como um Bom Pastor.

A conjuntura social do tempo de Jesus é trágica, apocalíptica, os governos e sacerdotes são corruptos, hipócritas e manipulam às consciências para seus próprios interesses e diante da falta de esperança para o povo de Deus, que sofre calado no deserto das periferias existenciais, sem ter voz, encontra agora à compaixão do Bom Pastor

Jesus visualiza o sofrimento do povo que sofre e prepara seus discípulos e os envia dois a dois em missão para levar uma mensagem de esperança em nome do filho de Deus, para curar os enfermos e marginalizados que estão abandonados pelos governos, sacerdotes, sociedade e assim obedientes com a missão os discípulos sai pelo caminho rumo às cidades para expulsar os lobos revestidos de ovelhas, para que todos tenham vida.

Não podemos ser ingênuos em pensar que naquele momento todos levaram a sério a missão que o mestre Jesus confiou, pois para alguns é possível que a missão foi um TOUR, no entanto a maioria levaram a sério a ordem e voltaram entusiasmados com o êxito da missão e contam tudo para Jesus do sucesso pois até os demônios os temiam pelo caminho.

Jesus olha para os seus discípulos e para ter uma conversa mais intima ao pé do ouvido os convida para entrar no barco para um momento de diálogo e descanso no vento do deserto e quando chegam lá se deparam com a triste realidade do povo de Deus, que não tem governo e estão como que ovelhas machucadas, doentes, famintas e abandonadas sem Pastor.

 Em tempos onde os governos não se preocupava com o sofrimento do povo que sofre, a Igreja através de bons Pastores se compadeceu do sofrimento dos filhos de Deus, e sem se preocupar em ter "lucros" construiu hospitais com freiras que foram enfermeiras, cristãos leigos e sacerdotes médicos, além de escolas, e muitos projetos sociais para salvar a vida dos filhos de Deus.

O testemunho dos cristãos e sacerdotes a exemplo de São Vicente de Paulo, Santa Madre Paulina, Dom Bosco e outros que doaram suas vidas para que todos tenham vida nos impulsiona a refletir no seguimento cristão a voz que grita em nossa consciência, diante dos desmandos de governos que manipula o povo e como cristãos o que podemos fazer para ser livres das amarras de sistemas desse mundo que não se preocupa com os pobres? Dai-lhes vós mesmo de comer..

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino