segunda-feira, 17 de setembro de 2018

SANTUÁRIO DO ROCIO FOI ABALADO!!

Os espaços e praças do Santuário Nossa Senhora do Rocio, em Paranaguá, se tornou pequeno neste último domingo 16 setembro, onde uma multidão de mensageiras(os) de capelinhas, e apostolado da oração,  em peregrinação de Curitiba, até o Santuário, foram chegando e participando da procissão com o manto de Nossa Senhora, em agradecimento as graças recebidas através da intercessão da Mãe.

Em seguida após a procissão, ás 11:30horas participaram da Santa Missa, presidida pelo arcebispo da arquidiocese de Curitiba,  Dom José Antônio Peruzzo, no Santuário Estadual de Nossa Senhora do Rocio, no Paraná.


Após a Santa Missa, conversando com as pessoas que trabalha nas barracas do lado do Santuário, elas nos dizia e afirmava que nunca-se viu nada igual ou semelhante, fora das festas tradicionais da Padroeira do Paraná.

A matéria em vídeo, com imagens marcantes, estaremos publicando em breve aqui!!

Matéria: Tarcísio Cirino

sábado, 15 de setembro de 2018

Papa: não se pode acreditar em Deus e ser mafioso.



Papa: não se pode acreditar em Deus e ser mafioso


O Papa retornou à Sicília nos 25 anos da morte do padre Pino Puglisi, assassinado pela máfia em 1993. Em sua homilia, o Papa fez uma dura advertência aos mafiosos: caso não se converterem ao Deus verdadeiro de Jesus Cristo, "sua vida será perdida e será a pior das derrotas”.
Jackson Erpen – Cidade do Vaticano
“Não se pode acreditar em Deus e ser mafiosos. Quem é mafioso não vive como cristão, porque blasfema com a vida contra o nome de Deus-amor”, e hoje “temos necessidade de homens e de mulheres de amor, não de homens e de mulheres de honra”.
Na homilia da Missa celebrada no final da manhã deste sábado no Foro Itálico, em Palermo, o Papa exortou os mafiosos a deixarem de pensar em si mesmos e em seu dinheiro e a converterem-se ao verdadeiro Deus de Jesus Cristo, advertindo que caso contrário, a vida deles "será perdida e será a pior das derrotas”.
Francisco  voltou à Sicília por ocasião do 25º aniversário de morte do padre Pino Puglisi, assassinado pela máfia em 15 de setembro de 1993, “coroando a sua vitória com o sorriso, com aquele sorriso que não deixou dormir de noite seu assassino que disse: «havia uma espécie de luz naquele sorriso»”.

Vitória e derrota

 

A sua homilia contrapôs o amor e o egoísmo, contrapôs a vida do padre Puglisi com o estilo mafioso de ser e agir. “Hoje Deus nos fala da vitória e da derrota”, disse o Papa referindo-se ao Evangelho de São João, “e somos chamados a escolher de que parte estamos: viver para si  - com a mão fechada - ou doar a vida - a mão aberta. Somente doando a vida se derrota o mal. Um preço alto, mas somente assim”.
“ Somente doando a vida se derrota o mal. Um preço alto, mas somente assim ”
“Quem vive para si, quem multiplica os seus ganhos, quem tem sucesso, quem satisfaz plenamente as suas necessidades, parece vencedor aos olhos do mundo. A publicidade martela esta ideia”, diz Francisco.
Mas para Deus, “quem vive para si não perde somente alguma coisa, mas toda a vida, enquanto quem se doa encontra o sentido da vida e vence”. Portanto, há uma escolha a ser feita: “amor ou egoísmo”:
O egoísta pensa em cuidar da própria vida e se apega às coisas, ao dinheiro, ao poder, ao prazer. Então o diabo tem as portas abertas.  O diabo entra pelos bolsos - eh! - se você é apegado ao dinheiro, isto é, ao diabo. O diabo faz acreditar que tudo está bem, mas na verdade o coração se anestesia com o egoísmo. O egoísmo é uma anestesia muito poderosa.  Este caminho sempre acaba mal: no final se fica sozinho, com um vazio por dentro. O fim dos egoístas é triste: vazios, sozinhos, circundados somente por aqueles que querer herdar”.
“ Quem vive para si não perde somente alguma coisa, mas toda a vida, enquanto quem se doa encontra o sentido da vida e vence ”
Mas para muitos – observa Francisco – essa conversa poderia parecer fora da realidade, pois para seguir em frente “serve dinheiro e poder”. Mas isto, advertiu, “é uma grande ilusão:
Dinheiro e poder não libertam o homem, fazem dele um escravo. Vejam: Deus não exerce poder para resolver nossos males e os males do mundo. Seu caminho é sempre o do amor humilde: somente o amor liberta internamente, dá paz e alegria. Por isso que o verdadeiro poder, o poder segundo Deus, é serviço. Jesus o diz.  E a voz mais forte não é a aquela de quem grita mais. A voz mais forte é a oração. E o maior sucesso não é a própria fama, como o pavão, não! A glória maior é, o sucesso maior é, o próprio testemunho”.

Lógica "perdedora"

 

Era isso o que padre Pino ensinava – recordou o Pontífice: “não vivia para se mostrar, não vivia de apelos antimáfia, e tampouco se contentava em não fazer nada, mas semeava o bem”. Sua lógica, “parecia uma lógica perdedora”, enquanto a lógica da carteira parecia vencedora”, mas “a lógica do deus-dinheiro é sempre perdedora”.
“ A lógica do deus-dinheiro é sempre perdedora ”
Ao ser morto há 25 anos, o sacerdote coroou a sua vida com um sorriso. Era inofensivo e seu sorriso transmitia a força de Deus, uma luz gentil que é a luz do amor, do dom, do serviço:
“Temos necessidade de cristãos sorridentes, não porque levem pouco a sério as coisas, mas porque são ricos somente da alegria de Deus, porque acreditam no amor e vivem para servir”.
Padre Pino sabia que arriscava, “mas sabia sobretudo que o perigo verdadeiro na vida é não arriscar, é ir levando a vida entre comodidades, futilidades e atalhos”. Que Deus nos liberte disso:
Deus nos liberte de vivermos no lado negativo, nos contentando com meias-verdades. As meias-verdades não saciam o coração, não fazem bem. Deus nos liberte de uma vida pequena, que gira em torno das "mesquinharias". Liberte-nos de pensar que tudo está bem se estiver tudo bem comigo, o outro que se arranje. Liberte-nos de acreditarmos que somos justos se não fizermos nada para combater a injustiça. Quem não faz nada para combater a injustiça não é um homem ou uma mulher justo.  Liberte-nos de acreditarmos que somos bons, somente porque não fazemos nada de mal (...). Senhor, dá-nos o desejo de fazer o bem; buscar a verdade detestando a falsidade; de escolher o sacrifício, não a preguiça; o amor, não o ódio; o perdão, não a vingança”.

Quem é mafioso não vive como cristão

 

Quem diz amar a Deus, mas odeia o seu irmão é um mentiroso - recordou o Papa referindo-se à primeira leitura -, pois “Deus-amor repudia toda a violência e ama todos os homens. Por isso, a palavra ódio deve ser apagada da vida cristã”. Então, dirigindo-se aos mafiosos disse:
“ A palavra ódio deve ser apagada da vida cristã ”
Não se pode acreditar em Deus e ser mafiosos. Quem é mafioso não vive como cristão, porque blasfema com sua vida o nome de Deus-amor. Hoje temos necessidade de homens e de mulheres de amor, não de homens e mulheres de honra; de serviço, não de subjugação; temos necessidade de homens e mulheres, de caminhar juntos, não de perseguir o poder. Se a ladainha mafiosa é: "Você não sabe quem eu sou", a cristã é: "Eu preciso de você". Se a ameaça mafiosa é: "Você vai pagar para mim", a oração cristã é: "Senhor, ajuda-me a amar". Por isso aos mafiosos eu digo: mudem irmãos e irmãs! Parem de pensar em si mesmos e em seu dinheiro. Você sabe, vocês sabem, que o Sudário não tem bolsos. Vocês não podem levar nada com vocês.  Convertam-se ao verdadeiro Deus de Jesus Cristo, queridos irmãos e irmãs! Eu digo a vocês, mafiosos: se não fizerem isto a vida de vocês será perdida e será a pior das derrotas”.

O que eu posso fazer?

 

Nós não podemos seguir Jesus somente com ideias, mas precisamos colocar mãos-à-obra. Seguindo o exemplo de padre Pino que dizia: “Se alguém faz alguma coisa, se pode fazer muito”, o Papa pergunta o que eu posso fazer, pelos outros? Pela Igreja?”:
Não espere que a Igreja faça algo por você, comece você. Não espere que a sociedade o faça, comece você! Não pense em si mesmo, não fuja da sua responsabilidade, escolha o amor! Sinta a vida das pessoas que têm necessidade, escuta o teu povo. Tenham medo, tenham medo, da surdez de não escutar o seu povo.  Este é o único populismo possível: escutar o seu povo, o único "populismo cristão": ouvir e servir o povo, sem gritar, acusar e provocar contendas”.
“ Este é o único populismo possível, o único "populismo cristão": ouvir e servir o povo, sem gritar, acusar e provocar contendas ”
Padre Pino – continuou o Papa - vivia a pobreza, a cadeira no quarto onde estudava estava quebrada, “mas a cadeira não era o centro de sua vida, porque não vivia sentado repousando, mas vivia em caminho para amar. Eis a mentalidade vencedora, eis a vitória da fé, que nasce da doação cotidiana de si. Eis a vitória da fé que leva o sorriso de Deus pelas estradas do mundo. Eis a vitória da fé que nasce do escândalo do martírio”.
“Dar a vida”, disse o Papa ao concluir, “foi o segredo da sua vitória, o segredo de uma vida bela. Hoje, queridos irmãos e irmãs, escolhamos também nós uma vida bela”.

PAPA FRANCISCO: QUEM É O BISPO?

DISCURSO DO PAPA FRANCISCO  NA SALA CLEMENTINA
AOS BISPOS DOS TERRITÓRIOS MISSIONÁRIOS 
QUE PARTICIPAM NO SEMINÁRIO PROMOVIDO PELA CONGREGAÇÃO 
PARA A EVANGELIZAÇÃO DOS POVOS. 

O Seminário teve inicio na última segunda-feira, 3 setembro e prosseguira até o próximo dia 15, no Pontifício Colégio São Paulo em Roma, onde participam 74 bispos de 34 países dos quatro continentes.  

Caros Irmãos, bom dia!
Tenho o prazer de conhecê-lo em seu seminário de treinamento. Com vocês saúdo as comunidades que lhe foram confiadas: os sacerdotes, os religiosos e as religiosas, os catequistas e os fiéis leigos. Sou grato ao Cardeal Filoni pelas palavras que ele me dirigiu e também agradeço ao Arcebispo Rugambwa e ao Mons. Dal Toso.

Quem é o bispo?  Vamos nos questionar sobre nossa identidade como pastores, a fim de ter mais consciência deles, mesmo que saibamos que não há um padrão-modelo idêntico em todos os lugares. O ministério do bispo estremece, tão grande é o mistério que carrega dentro de si. Graças ao derramamento do Espírito Santo, o bispo está configurado para Cristo, o Pastor e Sacerdote. É chamado, isto é, ter as características do Bom Pastor e fazer o coração do sacerdócio, isto é, a oferta da vida . Portanto, ela não vive por si mesma, mas se esforça para dar vida às ovelhas, em particular àqueles fracos e ameaçados de extinção. É por isso que o bispo nutre uma compaixão genuína para a multidão de irmãos que são como ovelhas sem pastor (cf. Mc6.34) e para aqueles de várias maneiras são descartados. Peço-lhe que tenha gestos e palavras de conforto especial para aqueles que experimentam marginalidade e decadência; mais do que os outros, eles precisam perceber a predileção do Senhor, da qual vocês são as mãos cuidadosas.

Quem é o bispo?  Gostaria de esboçar três traços essenciais com você: um homem de oração, um homem de proclamação e um homem de comunhão.
Orando homem . O bispo é o sucessor dos apóstolos e como os apóstolos são chamados por Jesus para ficar com ele (cf. Mc 3,14). Lá ele encontra sua força e sua confiança. Em frente ao tabernáculo ele aprende a se confiar e confiar-se ao Senhor. Então amadurecer nele a percepção de que mesmo durante a noite, ao dormir, ou durante o dia, entre fadigas e suor no campo que cresce, amadurece semente (cf. Mc 4,26-29). 

A oração não é pela devoção do bispo, mas pela necessidade; não um compromisso entre muitos, mas um indispensável ministério de intercessão : ele deve trazer pessoas e situações todos os dias diante de Deus. Como Moisés, ele estende as mãos ao céu para o seu povo (cf. Êx 17, 8-13) e é capaz de insistir com o Senhor (cf.Ex 33.11-14), negociar com o Senhor, como Abraão. parrhesia da oração. Uma oração sem parrhesia não é oração. Este é o pastor que reza! Alguém que tenha a coragem de discutir com Deus por seu rebanho. Ativo em oração, ele compartilha a paixão e a cruz de seu Senhor.


 Nunca satisfeito, ele constantemente tenta assimilar-se a ele, no caminho para se tornar como Jesus a vítima e altar para a salvação de seu povo. E isso não vem de saber muitas coisas, mas de conhecer uma coisa todos os dias em oração: "Jesus Cristo e Cristo crucificado" ( 1 Cor.  2.2). Porque é fácil carregar uma cruz no peito, mas o Senhor nos pede para trazer um peso muito mais pesado nos ombros e no coração: ele nos pede para compartilhar sua cruz. Peter, quando ele explicou aos fiéis que eles devem fazer os diáconos recém-criadas, acrescenta - e também se aplica a nós, bispos: "A oração e pregação da Palavra." Em primeiro lugar, oração. Eu gosto de fazer a pergunta a cada bispo: "Quantas horas por dia você reza?".
Ad Man . Sucessor dos apóstolos, o bispo percebe com precisão o mandato que Jesus lhes deu: "ide proclamar o Evangelho" ( Mc16, 15). "Vai": o Evangelho não se anuncia enquanto está sentado, mas no caminho. O bispo não vive no escritório, como dirigente de empresa, mas entre as pessoas nas ruas do mundo, como Jesus. Ela traz seu Senhor, em que não é conhecida, onde é desfigurado e perseguidos. E saindo de si mesmo, ele se encontra. Não tem o prazer de conforto , não gosta da vida tranquila e não economizar energia, você não ouvir Prince, esforça-se para os outros, abandonando-se a fidelidade de Deus. Se julgados e detém títulos deste mundo, não seria um verdadeiro apóstolo do Evangelho.
E qual é o estilo do anúncio? Testemunhe humildemente o amor de Deus, assim como Jesus, que foi humilhado pelo amor. A proclamação do Evangelho sofre as tentações do poder, do contentamento, do retorno da imagem, do mundanismo. Mundanismo. Cuidado com o mundanismo. Há sempre o risco de curar a forma da substância, de transformar-se em atores, em vez de testemunhas, de diluir a Palavra da salvação, propondo um Evangelho sem o Jesus crucificado e ressuscitado. Mas vocês são chamados a ser memórias vivas do Senhor , para lembrar à Igreja que anunciar significa dar vida, sem meias medidas, até mesmo pronto para aceitar o auto-sacrifício total.

E terceiro, um homem de comunhão . O bispo não pode ter todos os dons, todos os carismas - alguns acreditam que eles têm, coitadinhos! - mas ele é chamado a ter o carisma do todo , isto é, manter unido, solidificar a comunhão. A Igreja precisa de união, não solistas fora do coro ou de líderes de batalhas pessoais. O pastor reúne: um bispo para seus fiéis, ele é um cristão comseus fiéis. Ele não faz notícia nos jornais, não busca o consentimento do mundo, não está interessado em proteger seu bom nome, mas adora tecer a comunhão envolvendo-se na primeira pessoa e agindo com uma demissão. Ele sofre de uma falta de liderança, mas vida enraizada no território, rejeitando a tentação de partidas frequentes da Diocese - a tentação de "bispos Airport" - fugir e encontrar suas glórias.

Não fique cansado de ouvir. Não se baseia em projetos feitos à mesa, mas deixa-se questionar pela voz do Espírito, que adora falar pela fé dos simples. Torne-se um com o seu povo e acima de tudo com o seu presbitério, sempre disponível para receber e encorajar os seus sacerdotes. Ele promove pelo exemplo, ao invés de palavras, uma genuína fraternidade sacerdotal, mostrando aos sacerdotes que eles são Pastores para o rebanho, não por razões de prestígio ou carreira, o que é tão ruim. Não sejam alpinistas, por favor, nem ambiciosos: alimentem o rebanho de Deus "não como senhores do povo confiado a vós, mas fazendo-vos modelos do rebanho" ( 1 Pe 5,3).

E então, queridos irmãos, fogem do clericalismo, "maneira anômala de entender a autoridade na Igreja, muito comum em muitas comunidades nas quais ocorreram comportamentos de abuso de poder, consciência e sexualidade". O clericalismo - corrói a comunhão, na medida em que "gera uma divisão no corpo eclesial que fomenta e ajuda a perpetuar muitos dos males que hoje denunciamos". Dizer não ao abuso - seja de poder, de consciência, qualquer abuso - significa dizer fortemente não a qualquer forma de clericalismo "( Carta ao Povo de Deus , 20 de agosto de 2018). Portanto, você não sente senhores do rebanho - você não é o dono do rebanho - mesmo que outros o façam ou se certos costumes locais o favorecerem. O povo de Deus, para quem e para quem você é ordenado, sente-se pai, não mestre; pais atenciosos: ninguém deve mostrar atitudes de submissão a você. Nesta conjuntura histórica, certas tendências de " líder " parecem acentuar-se em várias partes Mostrar a si mesmo como homem forte, que mantém distância e domínio sobre os outros, pode parecer confortável e cativante, mas não é evangélico. Muitas vezes danifica danos irreparáveis ​​ao rebanho, pelo qual Cristo deu sua vida com amor, rebaixando-se e aniquilando-se. Portanto, sejam homens pobres em posses e ricos em relacionamentos, nunca duros e rabugentos, mas afáveis, pacientes, simples e abertos.

Eu também gostaria de pedir que você cuide, em particular, de algumas realidades:
Famílias . Embora penalizados por uma cultura que transmite a lógica do provisório e favorece os direitos individuais, eles permanecem as primeiras células de toda sociedade e as primeiras Igrejas, porque são igrejas domésticas. Promover cursos de preparação para o casamento e acompanhamento para as famílias: serão porcas que darão fruto na época. Defenda a vida da concebida como a dos idosos, apóie os pais e os avós em sua missão.

Os seminários . Eles são os viveiros de amanhã. Lá você está em casa. Verifique cuidadosamente se são guiados por homens de Deus, educadores capazes e maduros, que, com a ajuda das melhores ciências humanas, garantem a formação de perfis humanos saudáveis, abertos, autênticos e sinceros. Dar prioridade ao discernimento vocacional para ajudar os jovens a reconhecer a voz de Deus entre os muitos que reverberam nos ouvidos e no coração.

Jovens , portanto, a quem o próximo Sínodo será dedicado. Escutemos, nos deixemos provocar por eles, acolhamos desejos, dúvidas, críticas e crises. Eles são o futuro da Igreja, eles são o futuro da sociedade: um mundo melhor depende deles. Mesmo quando parecem estar infectados pelos vírus do consumismo e do hedonismo, nunca os colocamos em quarentena; vamos experimentá-los, sentimos seu coração implorando pela vida e implorando por liberdade. Oferecemos-lhes o Evangelho com coragem.
Os pobres.  Amá-los significa lutar contra toda a pobreza, espiritual e material. Dedique tempo e energia ao último, sem medo de sujar as mãos. Como apóstolos da caridade, vocês alcançam as periferias humanas e existenciais de suas dioceses.

Finalmente, queridos irmãos, sejam cautelosos, peço-lhes, da indiferença que leva à mediocridade e à indolência, que "démon de midi". Seja cauteloso com isso. Cuidado com a tranquilidade que evita o sacrifício; de pressa pastoral que leva à intolerância; da abundância de bens que desfiguram o Evangelho. Não se esqueça que o diabo entra nos bolsos! Desejo-lhe, ao contrário, a santa inquietude pelo Evangelho, a única inquietude que dá paz. Agradeço-lhe por ouvir e abençoar você, na alegria de tê-lo como o mais querido entre os irmãos. E peço a você, por favor, que não esqueça de orar e orar por mim. Obrigado.

08-09-2018.

CONVITE ESPECIAL: 15 SETEMBRO MANIFESTAÇÃO PELA VIDA

Aborto no Brasil? É HORA DE IRMOS PARA A RUA E SALVARMOS VIDAS

A ameaça do aborto ser legalizado no Brasil por meio do Poder Judiciário provocou uma reação inédita e necessária no Paraná. A Arquidiocese de Curitiba está unida a centenas de entidades do estado, entre igrejas evangélicas, ONGs e movimentos, numa iniciativa que pretende levar dezenas de milhares de pessoas às ruas de Curitiba para dizer não ao aborto e sim à vida. Às duas vidas: a da mãe e a do bebê.

No dia 15 de setembro, das 14h às 18h, na Praça Nossa Senhora de Salete, em frente ao Palácio Iguaçu, ocorre a Manifestação pela Vida, para todo cidadão que defende a vida marcar a cidade com o pedido de que o Supremo Tribunal Federal (STF) não descriminalize o aborto em nosso país. 

PRECISAMOS DO APOIO DE TODOS AQUELES QUE DEFENDEM A VIDA!

COMPAREÇA! É a chance para fazer algo de concreto pela defesa da vida dos mais inocentes em nosso país!

Estão previstas apresentações musicais, testemunhos, orações e discursos num ato sem vinculações político-partidárias, destinado a toda a cidade e que promete lotar a Praça Nossa Senhora da Salete.
Durante a manifestação será gravada uma mensagem em vídeo destinada aos 11 ministros do STF, na qual toda a multidão presente dirá o que espera do tribunal.

DIVULGUE EM SUA PARÓQUIA E SEUS GRUPOS
ACESSE AQUI ALGUNS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO JÁ DISPONÍVEIS!  
Compartilhe e marque a #direitodenascer nas redes sociais

CONVITE A CONSELHOS PASTORAIS

No último sábado 23 de junho, lideranças das 07 Paróquias do Setor Colombo, participaram de uma manhã de formação na Paróquia Santa Terezinha de Lisieux, arquidiocese de Curitiba.

O evento de formação teve inicio com Pe.Regis Soczek Bandil, que motivou as lideranças e trabalhou de forma breve a "Exortação Apostólica Gaudete Et Exsultate, do Papa Francisco, onde fala sobre o chamado a santidade no mundo atual".

Na sequencia Dom Francisco Cota, motivou e orientou as lideranças, através dos documentos 100, 105, 106, 107 da CNBB. 

No vídeo á cima, uma pequena síntese, um aperitivo do que foi o encontro do Setor Colombo, com imagens onde Dom Francisco Cota, convida os meios de comunicação, rádios, mídias sociais, a divulgar o "Convite: Missa de 7° dia", conforme sátira no áudio e as orientações no vídeo, publicado à cima.

O encontro foi de alto nível, com a presença e animação do Grupo Afro, Pe.André Marmilicz CM, Pe.Tadeu Camilo, Pe.Jefferson Costa, diáconos, coordenadora: Josiane Andrade do Movimento de Capelinhas e Comissão 13, Coordenador do Setor Tarcísio Cirino, e cerca de 500 lideranças das 7 Paróquias do Setor Colombo, envolvidos com os trabalhos de Grupos de Reflexão.

Matéria: Tarcísio Cirino
25-06-2018

NOVENA DE NOSSA SENHORA DA LUZ DOS PINHAIS: COM OS BISPOS DA ARQUIDIOCESE DE CURITIBA.



Serviço:

Especial “Novena Nossa Senhora da Luz dos Pinhais”


Apresentação: Dom José Antônio Peruzzo, Dom Amilton Manuel
da Silva e Dom Francisco Cota de Oliveira

Produção: TV Evangelizar


CRESCE AS CAPELINHAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS.


Perfuraram o Sagrado Coração de Jesus e do Coração de Jesus, nasceu a Igreja.

A partir do Concílio Vaticano II, com a renovação e surgimento de movimentos milagreiros na igreja, o "AO" com a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, parecia ter cumprido sua missão e chegado ao fim e perdido as suas raízes através dos santos misticos como Santa Gertrudes e os contemplativos da escola francesa, com esta devoção de onde nasceu tantos santos na igreja.  

Os Padres Conciliares falaram muito, mas muito mesmo de Jesus, mas não entraram na linguagem devocional e mística, que dominou vários séculos. 

Em tempos de intolerância, ódio, inveja, perseguição e tantos outros males de nosso século, temos uma boa notícia.  O "Coração de Jesus está Vivo"; é um novo fenômeno que estamos presenciando e vendo através do crescimento de grupos de zeladoras(es) aderindo as capelinhas do Sagrado Coração de Jesus no "AO", e evangelizando as famílias nas casas, com a força da Rede Mundial de Oração do Papa. 

Texto: Tarcísio Cirino
23-08-2018

O INCANSÁVEL DOM DIRCEU VEGINI

 É bastante grave o quadro atual de saúde de Dom Dirceu Vegini, Bispo da Diocese de Foz de Iguaçu, que se encontra hospitalizado na UTI do Hospital Costa Cavalcanti, onde passou recentemente por cirurgia e no momento está com complicações internas.

Dom Dirceu Vegini, trabalhou na arquidiocese de Curitiba, como bispo auxiliar, foi um grande amigo e amigo de todos(as), trabalhando de forma incansável junto as Pastorais, movimentos eclesiais, sociais, e de modo especial na região episcopal norte, onde motivou a criação do "EREN: Encontro das Lideranças da região Episcopal Norte".

Dom Dirceu Vegini, enquanto bispo auxiliar de Curitiba, tinha como um dos sonhos, fazer do Setor Colombo, uma nova Diocese.

O vídeo á cima de nossos arquivos, mostra um pouco do trabalho deste grande Bispo da igreja do Paraná.

No momento é preciso muitas orações, pois a saúde de Dom Dirceu Vegini, se agravou..

Matéria: Tarcísio Cirino 
06-09-2018

terça-feira, 11 de setembro de 2018

PEREGRINAÇÃO DE NOSSA SENHORA: SETOR COLOMBO

Neste ano 2018, dedicado ao laicato as Paróquias do setor Colombo, promove a partir do dia 26 agosto, Peregrinação de Nossa Senhora do Rosário, com o seguinte tema: "Com Maria os leigos de Colombo, são sal da terra e Luz do mundo".

A peregrinação de Nossa Senhora do Rosário, acontecerá com a participação do povo de Deus e laicato que trabalha em todas Pastorais e Movimentos do Setor Colombo, conforme agenda que segue a baixo.

Paróquia Bom Jesus: Dia 26 agosto ás 19:00h com a presença  Apostolado da Oração e RCC do Setor.

Paróquia Santa Terezinha Liseux: Dia 02 Setembro ás 19:30h com a presença; Grupos de Reflexão, Catecumenato, Catequistas, TLC, Grupo de Jovens, Acólitos e coroinhas.  

Paróquia Sagrada Família: Dia 09 Setembro ás 18:00h, com a presença, Pastoral do Batismo, Pastoral do Dizimo, Pastoral da Liturgia.

Paróquia Nossa Senhora da Saúde: Dia 16 setembro ás 18:00h, com a presença; CAEPs, CAECs, Pastorais Sociais, Pastoral da Criança, Pastoral da Pessoa Idosa, Ação e Cidadania.

Paróquia Imaculado Conceição - Atuba: Dia 23 Setembro ás 19:00h, com a presença; Pastoral Familiar, ECC, Movimento de irmãos.

Paróquia Santa Cândida: Dia 30 Setembro ás 19:00h, com a presença; MESCs, PASCOM.

Paróquia Nossa Senhora do Rosário: Dia 06 Outubro ás 10:00h, com a presença; Movimentos Marianos, Movimento de Capelinhas, Legião de Maria.

Os locais com as datas da peregrinação de Nossa Senhora do Rosário, foi organizado pelos Padres das Paróquia do Setor Colombo. Participe!! 

domingo, 9 de setembro de 2018

Extra, Extra: Bispos rezam juntos, pela primeira vez, novenário na TV Evangelizar

Com o intuito de propagar a devoção à Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, Padroeira de Curitiba, a TV Evangelizar apresenta a partir de sábado, dia 08 de setembro, o especial “Novena Nossa Senhora da Luz dos Pinhais”.  Dom José Antônio Peruzzo, Dom Amilton Manuel da Silva e Dom Francisco Cota de Oliveira convidam você para viver esta experiência de oração comum e enriquecedora na TV Evangelizar, de segunda à sexta-feira às 8h15, sábado às 8h30 e domingo às 9h.


Serviço:
Especial “Novena Nossa Senhora da Luz dos Pinhais”
Apresentação: Dom José Antônio Peruzzo, Dom Amilton Manuel da Silva e Dom Francisco Cota de Oliveira
Exibição: De segunda à sexta-feira às 8h15, sábado às 8h30 e domingo às 9h
Produção: TV Evangelizar


 





Stephany Bravos
Produtora de TV| Produção TV

Matéria: Tarcísio Cirino

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

MANIFESTO PÚBLICO DE ORGANISMOS E MOVIMENTOS DA CNBB, SOBRE O MOMENTO POLÍTICO.


Manifesto público de Organismos e Pastorais da CNBB sobre o momento político que vivemos. 

 *Resistência Democrática, unidos pela justiça e paz!* 

 _Ele, porém, respondeu: "Eu vos digo: se eles se calarem, as pedras gritarão" Lc 19, 40_ 

Estamos vivendo tempos difíceis no Brasil. Males que pretendíamos ter deixado para trás voltam a nos atormentar e fazem sofrer o nosso povo. Pobreza absoluta, miséria e fome, desemprego e subemprego, mortalidade infantil, restrição e piora dos serviços públicos de educação e saúde, aumento da violência urbana e rural são algumas das pragas que sonhávamos estarem acabando.

Tempos moldados pelos interesses do capital financeiro e seus principais aliados, que se utilizam dos grandes meios de comunicação e tentam exercer uma hegemonia ideológica sobre o conjunto da sociedade.

Em 2016 aconteceu um Golpe de Estado no Brasil. Votou-se o "impeachment" da presidenta Dilma, por argumentos hoje reconhecidos como falaciosos. Após isso, implantou-se um governo sem legitimidade alguma que tem implementado um programa econômico autocrático, que destrói as políticas sociais e retira direitos, servindo a uma agenda neoliberal, seguindo plenamente os ditames do Capital, na contramão do projeto aprovado pela população nas eleições majoritárias de 2014.

Esse "governo" diminuiu substancialmente a participação da Petrobras no Pré-sal, vinculou os preços dos combustíveis ao mercado internacional, cortou o gasto público em despesas sociais por duas décadas, aprovou a terceirização da mão de obra em atividades fim, fez uma Reforma Trabalhista à imagem e semelhança dos interesses patronais, diminuiu drasticamente o número dos beneficiários do Bolsa Família, reduziu as verbas para saúde e educação, desmontou a fiscalização do combate ao trabalho escravo, estancou a demarcação de terras indígenas e quilombolas, aniquilou a Reforma Agrária em nosso país e busca liberar a compra-venda de terras para o mercado internacional, inclusive de terras de fronteiras.

Desde 2016, o orçamento federal sofre cortes substanciais em políticas sociais: universidades e institutos federais deixados à míngua; hospitais universitários e institutos de pesquisas sendo desmontados; redução orçamentária da CAPES, impedindo a formação continuada de professores; a agricultura familiar abandonada, a indústria nacional, especialmente a construção civil, naval e a do petróleo, jogada ao ocaso.

Os resultados desse horror logo repercutiram para as maiorias sociais. Houve um grande aumento do desemprego, precarização do trabalho e a renda média das famílias dos trabalhadores caiu, deixando milhões ao desalento.

Em meio a essa barbárie social, Itaú-Unibanco, Bradesco e Santander tiveram em 2017, lucro líquido de R$ 53,9 bilhões(1). Valor concentrado, fundamentalmente, por quatro famílias, livre de qualquer imposto ou contribuição social. Ou seja, quase duas vezes o valor do Bolsa-família para todo ano de 2018 que atenderia a 39 milhões de famílias beneficiárias.

Além disso, está em curso no Brasil um processo agressivo de transferência de renda do Estado para setores privilegiados, por meio de isenção de impostos, do perdão de dívidas e do sistema da dívida pública. O insaciável mercado mostra uma voracidade infinita ditando reformas que aumentarão ainda mais os seus escandalosos lucros, sem se importar com a escalada de sofrimento humano.

A ênfase que se dá ao combate à corrupção dissocia-se do enfrentamento às gritantes desigualdades sociais. Floresce um discurso que instrumentaliza esta luta contra a corrupção, que se tornou mecanismo para subverter a agenda pública nacional da Constituição de 1988, cujos os objetivos fundamentais são: construir uma sociedade livre, justa e solidária, garantir o desenvolvimento nacional, erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais.

Nesse quadro, os donos do poder fazem verdadeiros malabarismos jurídicos e políticos com a intenção de perdurar no tempo o atual modelo: judicialização da política e politização da justiça com notória seletividade e perseguição. O autoritarismo e a parcialidade do nosso sistema judicial aviltam o Estado democrático de direito. Exemplo disso é a substituição da vontade popular por um processo casuístico que prendeu o ex-presidente Lula e tenta inviabilizar sua candidatura à Presidência da República.

As eleições de 2018 serão uma das mais decisivas da história brasileira, pois nelas se enfrentarão projetos de país e sociedade, representados por partidos e candidaturas aos Executivos e aos Legislativos. Por um lado estarão aqueles identificados com o atual governo tentando se legitimar, por outro, aqueles genuinamente portadores dos anseios mais profundos do povo brasileiro na sua incansável saga por soberania e direitos universalizados.

Nessas eleições outro grande desafio para as forças da resistência democrática e popular é enfrentar candidaturas com forte conteúdo neofascista.

Neste momento dramático, em que estão em risco o presente e o futuro de nossa nação, não podemos "lavar as mãos", nos omitir, nem buscar refúgio na neutralidade. O momento exige solidariedade com os empobrecidos, oprimidos e marginalizados.

Para tanto, propomos construir um programa que seja uma referência e orientação para nossa gente nas eleições e que possa movimentar a espiral de cidadania e do bem comum.

Entre esses pontos, as entidades signatárias propõem:

1. Revogação das mudanças aprovadas na CLT que retiram direitos trabalhistas.

2. Reversão das privatizações executadas e fortalecimentos das empresas públicas.

3. Revogação da Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos sociais por 20 anos.

4. Realização de uma Auditoria Cidadã da Dívida Pública, que consome aproximadamente metade de todo o orçamento público brasileiro.

5. Realização de Reforma Tributária que combata a desigualdade, taxando as grandes fortunas, as grandes heranças, os dividendos de grandes empresas e do sistema financeiro. Reversão das isenções fiscais e do perdão de dívidas e cobrança dos impostos devidos por grandes empresas.

6. Retomada dos programas sociais nos moldes anteriores a 2016, reforçando-os e universalizando-os.

7. Denúncia da partidarização e seletividade do judiciário.

8. Respeito à presunção da inocência e a Constituição que garante que a prisão somente deve ocorrer quando todos os recursos e instâncias tenham se esgotado.

9. Mobilizar a sociedade para uma ampla Reforma do Estado, que estimule mecanismos de participação direta, promova a democratização e a pluralidade dos meios de comunicação e garanta o pleno respeito aos direitos humanos.

10. Implementação do direito à demarcação das terras indígenas e quilombolas e realização de uma reforma agrária ampla e popular, com incentivos à produção agroecológica e agroflorestal e à comercialização de alimentos saudáveis para toda a população brasileira.

Assinam: 

Cáritas Brasileira

Comissão Brasileira Justiça e Paz

Comissão Pastoral da Terra

Conferência dos Religiosos do Brasil

Conselho Indigenista Missionário

Conselho Nacional do Laicato do Brasil

Conselho Pastoral dos Pescadores

Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social

Pastoral Carcerária

Pastoral Operária

Serviço Pastoral do Migrante


sábado, 1 de setembro de 2018

LONGUINA KACHEL FOI MORAR NO CÉU!

Com profundo sentimento, informamos a todos o falecimento de Longuina Klencke Kachel, fundadora do Movimento de Capelinhas da Paróquia Santa Cândida.

Longuina Kachel, estava com 85 anos e faleceu neste sábado 01 Setembro de 2018, e era esposa do saudoso amigo o Sr. David Kachel.

O velório está acontecendo na Capela 1 do cemitério municipal de Santa Cândida.

Ás 12:00h, deste domingo 02 Setembro, acontece celebração com o corpo presente na igreja matriz da Paróquia Santa Cândida, em seguida o sepultamento no cemitério Paroquial de Santa Cândida.

Obs: No vídeo á cima um pouco da história da Mensageira Longuina Kachel, que é um pouco da história da Paróquia Santa Cândida e arquidiocese de Curitiba.

Matéria: Tarcisio Cirino