terça-feira, 4 de maio de 2021

REFLEXÃO: SABE MÃE - A TODOS UM FELIZ DIA DA MÃES.


Sabe Mãe: a saudade é imensa, não sei ser um romancista e através desta mensagem, quero compartilhar com a Senhora, um pouco do que sinto em nossa caminhada.

Desde a criação da humanidade, a casa comum está  passando por mudanças e diante do progresso da ciência e avanços tecnológicos industriais, a torre foi sendo reconstruída, ultrapassamos as fronteiras e chegamos às estrelas.

Sabe Mãe, em momentos de reflexão, os textos bíblicos que mais crescem aos meus olhos, na difícil travessia pandêmica que estamos vivendo hoje, é quando o Senhor fala: Eu endurecerei o coração do faraó.

Na modernidade, Mãe, a sociedade regrediu e diante ao advento da internet, em meio ás diversidades e desigualdades sociais, a sociedade se transformou em um condomínio tribal, uma comunidade onde para muitos da sociedade, rezar o terço ou possuir a bíblia para refletir e dialogar com Deus é inútil, e já não significa nada. 

Diante do contexto, somos como servidores da modernidade e, presos as plataformas ou tecnologias digitais, em uma espécie de campo de concentração, ainda existem por aqui uma minoria que acredita em Deus e não foram manipulados em suas consciências pelo sistema. 

Na força da oração, os amigos lutam com o suor do rosto e os calos das mãos, pela sobrevivência e valores de família que receberam dos antepassados, trabalhando na alegria da missão, na firme esperança, que através da FÉ, possam encontrar à liberdade e a verdadeira felicidade.

Mãe, no campo de concentração somos como os pássaros, e  por vezes, no banho de sol fico observando os Pardais e é o máximo, eles são invisíveis aos interesses dos sistemas e esquemas desse mundo, e por isso estão livres, felizes em paz; já os canarinhos e outros passarinhos, estão acorrentados ou presos em uma gaiola, para preservar ás suas espécies de servidores. 

Sinto Mãe, que o corporativismo não é a unidade, e parece que na última década, muitos dos que foram  trocar lâmpadas no campo de concentração, perderam a luz e desaprenderam o que é missão, desaprendemos o que é ser missionários, o que é ser Igreja, o que é ser um cristão católico.

Parece que uma diocese ou paróquia que agregam, dezenas e dezenas de pastorais e movimentos, não possuem uma riqueza e sim servidores que administram uma comunidade, fragmentada e dividida.

Sabe Mãe - se possível, intercede por todas famílias, em nossas dificuldades, pois hoje, a melhor vacina para vencer o vírus das pandemias, é aquela que recupera às consciências da sociedade, em prol da salvação da humanidade. 

Desejamos a todos, um Feliz dia das Mães

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

sábado, 24 de abril de 2021

BOM PASTOR - SERÁ QUE REALMENTE ESTAMOS NA PÁSCOA?


Sai pelo mundo como um andarilho a trabalhar na construção do reino de Deus e fico a pensar nas cruzes que encontrei e continua sendo erguidas a beira do caminho, no campo e periferias das cidades, metrópoles do mundo afora, e será que a Páscoa não é um sonho que sonhamos e ainda não acordamos?

Em tempos de pandemia, como celebrar à Páscoa, diante do grito ensurdecedor de milhares de famílias em luto, que perderam seus familiares, diante da omissão e irresponsabilidade do governo desse mundo, e hoje, uma parte da massa que sofre, está na rua?

Como celebrar a Páscoa em tempos onde podemos ouvir o grito desesperado de indígenas e famílias do campo e cidades que são retirados de seus lares, pela força da ação dos projetos desenvolvimentistas que iludem com  promessas de milagres ás consciências do povo de Deus?

Será que de fato estamos vivendo à Páscoa, diante de milhares de desempregados, povo em situação de rua, tráfico de pessoas humanas que cresce em nosso pais, onde meninas e meninos são aliciados, através de redes nacionais e internacionais de prostituição, drogas, e comércio de órgãos humanos?

Me lembro que ainda era um jovem, quando ouvi a voz do Bom Pastor e Ele disse: O Brasil precisa de santos o Brasil precisa de muitos santos e hoje, sua voz continua sussurrando através da Igreja em saída, mais não tenho vocação.

A Páscoa ainda não é a festa do reino definitivo e sim a passagem, onde o Bom Pastor, caminha em nossa frente, sinalizando o caminho para que possamos crer no ressuscitado, o filho amado que o Pai enviou, e assim, possamos nos comprometer com a boa notícia do reino que culmina no plano da salvação, em território e lugarejos, onde; Mamom escraviza os filhos de Deus, semeando as injustiças sociais, ferindo a casa comum e a dignidade dos direitos humanos.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

24-04-2021


quinta-feira, 15 de abril de 2021

O QUE ESPERAR DA 58° ASSEMBLEIA DOS BISPOS?

Tempos atrás, visitando um amigo que trabalha com o povo de rua, durante o diálogo o amigo com olhar cansado preso no horizonte, de repente, desarmado de qualquer pretensão, em tom de brincadeira, risos, dizia: Sabe a culpa da omissão dos cristãos em nosso tempo é do Imperador Constantino, pois este foi um oportunista, que encabelou ás humildes comunidades cristãs e no transcorrer dos séculos a tentação do poder, entrou pela porta das comunidades de fé e hoje somos reféns do sistema imperial que está ai. 

Não temos mais tempo para brincar de ser igreja, pois como a corrente de um rio que arrasta tudo o que encontra pela frente, vivemos uma pandemia sistêmica, onde somos governados por decretos, e parece, que o que importa não é o altar e sim o ouro que alimenta o sistema de César.

Dito isso, em tempos onde a PALAVRA, não é encarnada e sim instrumentalizada é preciso uma sã reflexão, diante da conjuntura atual, onde convivemos a triste realidade de milhares de óbitos, dia, sobrevivendo nós pela ação de Deus, em meio a decretos.

Todos nós do segmento cristão, deveríamos ter consciência que no plano da salvação, fomos feitos para a missão do reino de Deus, para proteger a vida e no entanto, se o prefeito, governador, emitir decretos, autorizando o culto, com 50% à 100% da capacidade do templo, pastores que deveria ter consciência em proteger a vida, é possível que serão omissos, abrindo o redil para o sacrifício das ovelhas.

Parece que a culpa não é de Constantino e sim da formação das consciências que durante séculos, transformou  o missionário em apenas um rezado de missa e hoje, presos nas sacristias, não sabem o que fazer, pois Igreja em saída é coisa de Francisco, para os leigos e diante da conjuntura atual; o que esperar da 58 assembleia dos bispos do Brasil?

Neste sistema cruel do mundo ultramoderno, é missão da Igreja, promover iniciativas para atrair trabalhadores ao chamado e com amor, contribuir com a ciência, através das ferramentas disponíveis nas redes digitais, para o fim da enfermidade na reconstrução da Igreja

Diante do contexto, é preciso dar passos estratégicos, com sabedoria e repensar a rede, que são as células doméstica, pequenas comunidades, pois a rede de hoje, não é como dos séculos passado, e não basta recursos financeiros para ás carências é preciso discernimento na escolha dos fios para que a rede suporte a pressão do sistema cruel que vem pela frente, e à família sobreviva a pandemia, levando  esperança, ás futuras gerações, e possam transmitir a herança da fé, que sobrou das riquezas do povo do resto de Israel.  

Porque Creio? É a reflexão pessoal, a chave que pode ajudar nossa espiritualidade na conjuntura atual, e nos levar a uma experiência singular, diante dos desafios do mundo moderno, onde o caminho mais seguro é possuir a chave da lectio divina, que abre o sacrário de nossa consciência, para compreender a voz que grita no silêncio das profundezas de nossa alma, e nos leva a seguinte reflexão: Porque Creio?

Porque o verbo se fez carne, é nossa missão eclesial, levar o cerne de nosso apostolado, para além das portas do redil, pois a fé é um tesouro, um dom concedido por Deus, e graças ao SIM da Mãe de Deus, que culminou no projeto da salvação, esmagando a cabeça do mal, temos hoje a Eucaristia, que nos dá força na comunhão com a rede de irmãos, sem medo das consequências com os desafios, pois, confiantes que a esperança jamais nos frustrará, navegamos na luz, em tempos de transmissões pelas redes sociais, rumo ao encontro definitivo com o Pai, através de seu espírito que caminha conosco. 

Nossa reflexão: Tarcísio Cirino

15-04-2021

quinta-feira, 1 de abril de 2021

BORA - RECONSTRUIR A IGREJA - A TODOS UMA FELIZ E SANTA PÁSCOA.

 

O véu do santuário - se rasgou e assim, Deus cumpriu a sua missão, pois. diante do mistério, todos são chamados, mais poucos são escolhidos

Nos dias atuais, não é fácil até para os anciãos e intelectuais, compreender, que o velho templo morreu e agora é preciso nascer de novo, conforme os tempos da Igreja primitiva.

Pregadores, dizem por ai, que, para encontrar à paz, felicidade, é preciso um encontro pessoal com o filho de Deus, no entanto, muitas vezes esse encontro acontece no caminho, mais na prática o nosso testemunho de vida, ás vezes mostra, que nosso encontro pessoal com Jesus, foi para interesses pessoais, e denota, que na prática, não acreditamos em sua Palavra e assim é impossível transmitir o depósito da fé. 

Parece que a , não foi transmitida na escola, seminário, faculdade, universidade, templo, e SIM a transmissão aconteceu através de nossa família, os nossos, Pais, na Igreja doméstica.

O tempo propicio para a missão da Igreja, no que se refere a catequese da transmissão da fé, na Igreja doméstica, não é o mês de outubro e SIM a partir da Páscoa, com à ressurreição de Jesus. 

E porque ficais aí parados?

Após a ressurreição de Jesus, a missão da Igreja é com você, nós, através de nosso testemunho de vida, pois a Igreja é o povo de Deus, e por isso a Igreja de Jesus Cristo, nunca morrerá.

De nossa parte, estamos trabalhando em equipe, através de nossos grupos de WhatsApp, redes sociais e assim que o povo estiver vacinado, vamos sair como missionários, pelas casas, falando do amor de Nossa Senhora, seu filho Jesus e vamos esmagar a cabeça da serpente, reconstruindo à Igreja. 

Você já imaginou começar a construir o reino de Deus, através do seu testemunho de vida, transmitindo aquilo que Jesus, fez e faz, em sua vida, em sua história familiar e de comunidade? 

Sabemos que não é fácil, falar de nossas experiências de , mais você pode nos enviar a sua história que publicaremos, conforme o meu relato à baixo. 

7 anos depois que recebi o batismo, começou á epidemia de meningite no Brasil, e segundo os médicos fui a terceira criança, atingido pela forte epidemia do Paraná, no inicio da década dos anos 70.

Só existia um hospital na cidade que atendia a região e mesmo lotado, e com muitas dificuldades financeiras, meus Pais, conseguiram o internamento.

No anoitecer daquele dia o médico, informou meus Pais, que a situação era grave, pois a meningite tinha me colocado em estado de coma e agora, só um milagre.

Ao amanhecer o médico, informou que o cérebro não suportou a dor e sofreu uma morte cerebral, mais o coração ainda que fraco, estava vivo, por pouco tempo e pediu ao meu Pai que diante da situação, providenciasse o sepultamento.

Minha mãe entrou em parafuso, e disse ao médico; mais eu sou filha de Maria, sou católica, sou do sagrado coração de Jesus, não posso aceitar isso, eu quero o meu filho de volta, quero a minha família de volta.

A enfermeira procurou consolar minha Mãe e meu Pai, dizendo: Já que vocês são cristãos é preciso aceitar a vontade de Deus, veja o lado bom, caso o seu filho sobrevivesse a essa doença, vocês teria muitos problemas para o resto da vida, e financeiros, com uma criança em cadeira de rodas em situação difícil,pois existe dois tipo de meningite e a do seu filho é a mais grave, então pode ser que Deus está acolhendo para livrar dos sofrimentos.

Naquele quarto tinha uma imagem de Nossa Senhora, e minha Mãe em lágrimas, começou a conversar com Nossa Senhora dizendo: Eu só tenho um filho, somos pobres, não temos recursos financeiros e tudo que temos, estamos perdendo, eu não posso aceitar isso; Ave Maria cheia de Graça, eu quero o meu filho de volta.

Enquanto meu Pai, por orientação do médico, foi até a funerária para providenciar o sepultamento, minha Mãe ficou ali, em oração: Ave Maria cheia de graça, eu quero o meu filho de volta, por favor és a nossa advogada, intercede por nós, diante de Deus, por nossa família, eu sou sou católica e de repente meu Pai chegou da funerária, entrou no quarto com a enfermeira o médico e naquele momento, eu voltei.

Agora eu sou um moço velho, que já sofreu muito e com dificuldades, estou, trabalhando e caminhando em passos lentos, para reconstruir a Igreja, rumo ao encontro definitivo com o Pai.

Shalom: Desejamos a todos uma Feliz e Santa Páscoa.

Tarcísio Cirino

01-04-2021

sábado, 6 de março de 2021

A VOZ DO PASTOR: DOM MAURO - ARCEBISPO DE CASCAVEL.

A mensagem em vídeo e matéria abaixo; é da última romaria da terra que estivemos com Dom Mauro, Dom Geremias e irmãos de caminhada. E hoje, diante da conjuntura atual, a mensagem é sinal para uma reflexão e conversão. Oremos 
Veículo da Missão: as romarias tem um sentido simbólico, com fonte na própria marcha da humanidade e se originaram na esteira do Concilio Vaticano II, que acabou com a ruptura entre povo, palavra e altar. 

Nos dias atuais as romarias tradicionais buscam essencialmente o altar e o santo, enquanto que as romarias da terra introduziram a "Palavra a reflexão, sendo sacramento da caminhada, pois elas são o templo do encontro do divino com o humano".


A Romaria da Terra, é de caráter ecumênico e incorpora ritos e símbolos de outras religiões ao evento, junto ao universo católico,    trabalhando seus lemas a partir da Campanha da Fraternidade e este ano 2019, refletindo as politicas públicas; a 32° Romaria da Terra, aconteceu neste último domingo (18) na cidade rural de Lindoeste com cerca de 6 mil habitantes, na região metropolitana da cidade da arquidiocese de Cascavel, tendo o evento como lema: "Nenhum camponês sem terra, mulher sem direito, jovem sem educação e criança sem saúde".

É comum nas praças e rodas de conversas das cidades e do campo, escutar de idosos, jovens, o triste desabafo do povo que sofre no caminho dizendo: os pastores da Igreja de nossos Pais, já cumpriram a sua missão profética e hoje com seus louvores e orações se encontram acovardados com às tecnologias das mídias de nosso tempo nas sacristias com medo dos lobos.

No entanto irmãos; não é uma Igreja acovardada, indiferente, que estamos visualizando no oeste do Paraná e sim uma Igreja Missionária em saída e presente com seu Pastor que vai ao campo nas periferias existenciais ao encontro das ovelhas que sofre e os acolhem com uma mensagem de esperança.

Foi o que vimos e ouvimos na 32° Romaria da Terra no interior do Parará, onde o povo tinha os olhos fixos no Pastor, e os escutavam.

O evento teve inicio ás 7h00 da manhã na Paróquia Cristo Rei com Missa presidida pelo arcebispo de Cascavel, Dom Mauro Aparecido dos Santos e concelebrada com a presença de Dom Geremias Steinmetz, Dom Manoel João Francisco e diversos sacerdotes do regional Sul 2 CNBB, seminaristas, lideranças do laicato, religiosos(as) e o povo de Deus.

Após a Santa Missa, em um campo aconteceu a reflexão da história da Romaria da Terra, com a participação de grande multidão de romeiros vindos de Curitiba e das dioceses do regional sul 2, com a presença do prefeito da cidade,vereadores e na sequência aconteceu a tradicional caminhada da Romaria da Terra.

Dom Mauro: você não precisa se preocupar se as pessoas na sociedade vai nos tachar de comunistas, mais você precisa se preocupar sim! Quando você se encontrar com a pessoa de Jesus Cristo, pois ele vai te dizer: Eu tive fome e tu não me deste de comer. Eu tive sede e não me deste de beber. Eu fui estrangeiro e não me acolheste. Eu tive preso e tu não me visitaste.

É preciso bater na cabeça do lobo para que às ovelhas tenham Vida.

Dom Geremias Steinmetz: Muitos pensam que o problema da terra está resolvido no oeste do estado do Paraná, mais na verdade não está resolvido e são milhares de pequenos agricultores que a mais de 50 anos ainda não possuem os documentos da terra e não tem acesso aos créditos para trabalhar e cultivar a sua terra.

Matéria e imagens: Tarcísio Cirino.
19-08-2019

sexta-feira, 5 de março de 2021

SERVIR A DEUS OU AO DINHEIRO?

Em tempo de pandemias, o grande desafio do catolicismo na conjuntura febril atual, é esvaziar -se, ficar nu e no silêncio, sair das vestes de aparências, passando a ser cristão á exemplo de São Francisco de Assis.

No momento temos: bispos, padres, amigos de caminhada com o vírus da covid e alguns já partiram para o encontro definitivo com Deus.

Segundo às últimas notícias do Brasil, só no Paraná, mais de 800 pessoas estão na fila à espera de um leito, UTI, para ser internado. 

É óbvio que diante do grande número da transmissão do vírus o sistema de saúde, já entrou em colapso.

O triste que daqui alguns dias em território de lockdown os governantes diante da pressão do sistema econômico, poderá liberar tudo novamente, alegando que diante da construção de novos leitos à curva de contaminação baixou, e assim continua ás mortes do cruel sistema que mata.

É ai que a Igreja através dos CCPs, deveria se posicionar, mostrando na prática que de fato, somos cristãos e somos a favor da vida, mantendo ás celebrações de fé, só, através das redes sociais e protestar até que o Ministério da Saúde, tome às devidas providências para a vacinação de imediato de toda população.

Do Egito te chamei e manter à porta com 15%, 30%, 50% ou mais. é também lavar as mãos e avalizar mais um tempo de irresponsabilidade de um sistema de governo que mata os nossos irmãos o filho de Deus.

Diante da conjuntura atual, todos somos responsáveis para vida ou para a morte.

Pense Nisso!

Matéria Reflexão e foto: Tarcísio Cirino

sábado, 23 de janeiro de 2021

ÀS VEZES ME PERGUNTO SERÁ QUE ESTE BATISMO, VALEU?

Em um final de semana, com o pôr do sol, na última década; estávamos encerrando uma catequese de pais e padrinhos e na saída, fui surpreendido com um senhor, que chegou e perguntou: Moço poderia me ajudar, pois já não sou mais criança e diante das burocracias, como faço para receber o batismo?  

Sentamos para conversar por um bom tempo e após o diálogo e orientações o senhor de sorriso natural, agradeceu e foi para casa, na esperança do batismo.   

Passado algumas semanas, estávamos chegando para o trabalho em uma loja na Avenida Paraná-Curitiba, próximo do sinaleiro, uma viatura militar estava atendendo um atropelamento e como era de frente ao meu trabalho e o atendimento estava sendo demorado, fui visualizar às burocracias do pronto socorro no acidente, bem de perto.

Quando cheguei perto reconheci a pessoa, ele já estava na maca e não podia mover á cabeça; então fui mais perto e olhei para o seu rosto, para os seus olhos.

O olhar sorridente ainda era o mesmo, e  começaram a rolar lágrimas, então compreendi à sua voz, me - abaixei ao corpo no chão e perguntei, ainda deseja o batismo? Ele piscou os olhos, como que dizendo SIM. 

Corri pegar um copo de água e depressa joguei sobre a cabeça do amigo dizendo: Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espirito Santo.

Os soldados, pediram para me afastar o levaram e nunca mais o vi.

Às vezes me pergunto, será que este batismo valeu?

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

23-01-2021