terça-feira, 23 de novembro de 2021

ADVENTO: O REINO DE DEUS ESTÁ PRESENTE E SE MANIFESTA NESTE MUNDO!

 A reflexão que fica no intelecto de muitos cristãos na catequese do último domingo com o encerramento do ano litúrgico é quando se leva ao pé da letra e não se aprofunda a espiritualidade com o interessante diálogo de Pilatos com Nosso Senhor no "palácio diante do sistema cruel de governo do mundo de Pilatos" e Jesus afirma que o seu reino não é desse mundo; em outras palavras o meu reino não é desse mundo governado na conjuntura política do governo de Pilatos.

O filho de Deus saiu pelo mundo a semear e chorou ao avistar Jerusalém e a partir de sua paixão, morte e ressurreição o espírito santo fortaleceu a missão dos apóstolos e com a semente germinada foi crescendo o cristianismo que são outros christos, como que soldados em defesa do projeto de salvação de Jesus Cristo, rumo a construção do reino, que já está em nosso meio. Porque Deus amou tanto o mundo que enviou o seu próprio filho, para que todos que nele creia tenham vida e vida do eterno em abundância, porque fomos criados a imagem e semelhança de Deus.

Deus é misericordioso e também é justiça. 

Neste domingo 28 Novembro, tem inicio um novo ano litúrgico(C) com a pedagogia do tempo de advento e dentro das reflexões da manifestação do amor do eterno na história do povo de Deus, que culmina com a vinda do Senhor Jesus é mostrar ao mundo que Deus gostaria de nascer no presépio de nosso coração e ali fazer a sua morada.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino



terça-feira, 16 de novembro de 2021

NOSSA REFLEXÃO: VIVA CRISTO REI

Os céus estavam nublados, sombrios e com a Carta Encíclica Quas Primas o Papa Pio XI em 11 dezembro de 1925 instituiu a festa de Cristo Rei para motivar a sociedade a inserir e revestir-se dos valores cristãos.  

Nesses últimos dias do ano litúrgico o espírito me levou a viajar pelo tempo em momentos da espiritualidade do silêncio, onde: rezando, refletindo e cantando com o coração uma antiga canção de autoria do Pe.Zezinho SCJ que na conjuntura social dos tempos de minha adolescência a letra dizia: Eu vim de lá do interior onde a religião ainda é importante, lá se alguém passa em frente a matriz se benze e pensa em Deus e não tem vergonha de ter FÉ, mais deixa eu lhe dizer que eu creio e ainda quero crer, que sem religião não sei viver, não sei viver!

Pois bem amigos, enquanto orava e meditava as coisas do meu interior, alguém chegou de mansinho e me deixou inquieto com as seguintes palavras que proferiu em forma de uma provocação eclesial e disse: E aí amigo você vai na Igreja hoje ou vai na católica?

Outra vez a voz do espírito me provocou a visualizar as imagens que ficaram esquecidas em minha memória no caminho; onde nas cidades por onde passei em minha adolescência a cultura sistêmica contemporânea levava desde a infância os filhos a trabalhar no campo e aqueles que não suportava a forte temperatura da luz do sol, estes, eram incentivados pela família a ir para o seminário para que a sociedade fosse agraciada com a benção do sacerdote e assim foi se formando e nascendo cidades com filhos advogado, médico, engenheiro, Juiz, político, Padre..

É dentro deste contexto que desde a juventude comecei a ouvir a voz e compreender o chamado em tempos onde a cultura vocacional era também como um negócio da sociedade que por vezes excluía no caminho do seguimento de os verdadeiros vocacionados.

Parece que já não é mais tempo de brincar de ser Igreja e para reconstruir a Igreja diante da conjuntura das pandemias do século é preciso mais do que viver e morrer na esperança, pois a Igreja que sofre precisa de samaritanos de coragem no caminho a exemplo do Pe.Miguel Pró, esse sim foi um verdadeiro cristão de nosso século e como atleta de Cristo foi um artilheiro em campo, que soube driblar ás estratégias do dominador desse mundo e marcou o gol, indo até o fim, testemunhando com a própria vida que Cristo é Rei. 

Por vezes em minhas viagens encontro pelo campo o dominador fazendo pacto e Javé realizando aliança com os bons samaritanos para que também nós possamos ir até às últimas consequências no projeto da salvação no firme testemunho que Cristo venceu a morte e é Rei do Universo 

Viva Cristo Rei!

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

domingo, 31 de outubro de 2021

A QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O MISTÉRIO DA SALVAÇÃO.

Vivemos na nova era das tecnologias da 4° ou 5° revolução industrial e diante da inteligência artificial robótica que está no jardim da infância e vem crescendo, isso, vai mudar radicalmente o mundo tal qual conhecemos e os pobres serão excluídos do trabalho na casa comum(planeta) para dar lugar aos robôs.

Toda revolução, muda os rumos da humanidade para o bem ou para o mal e vai transformando a cultura da sociedade através dos pilares da política, economia, religião e diante da conjuntura social, eclesial de nosso tempo o cristianismo já não impacta ou atraem a juventude e os ramos do espiritismo de Alan Kardec é o que mais cresce em massa no tecido social em meio as nanotecnologias, em tempos onde ideólogos frustrados estão mais preocupados em saber se você é de esquerda, direita ou centro e qual é a linha de sua teologia?

Dito isso, é possível que os amigos esteja pensando, mais como chegamos a esse ponto? 

E o que fazer para que a nossa geração e as demais, tenham um final feliz no reino de Deus?

Parece que o caminho é a espiritualidade em tempos onde a cruz assusta os dominadores do mundo e nossa catequese dominical por vezes fica nas nuvens mostrando um romantismo da vida pública do filho do Eterno e não encarna a realidade da conjuntura atual com os pés no chão na profundidade do mistério da salvação.

De nossa parte em síntese com essa introdução, penso em levar o amigo leitor a reflexão: em um momento histórico bastante conturbado em que a nação se encontrava nas profundezas do declínio espiritual, com o povo sendo oprimido pelos filisteus nos últimos anos em que Israel era governado por juízes.

Uma mulher estéril após a oração no santuário é agraciada com a bênção de um filho e este será chamado Samuel e mais tarde, vai se comunicar como profeta, que foi escolhido do meio do povo e fala em nome de Deus.

Samuel após conversar com Javé, diante da opção do povo, por um novo sistema de governo; fez a unção de Saul para ser o rei da nação e este governante no transcorrer do tempo sentiu que Deus se afastou de si e não se comunicava mais consigo e assim perdidão em meio ao sistema de governo e diante da morte do profeta Samuel, o rei Saul ficou com medo e as escondidas a noite foi consultar os mortos através de médium. 

Essas práticas que são condenadas em Deuteronômio, Levítico, se mantiveram durante o tempo em uma espécie de sincretismo religioso e estava presente no tempo de Jesus e a partir dai em uma reflexão ou estudo mais aprofundado, podemos compreender a revolta do Senhor Jesus ao entrar em Jerusalém e visualizar a problemática, que culminou soltando o braço e quebrando as mesas ou melhor soltando o chicote nos vendilhões do templo.

Parece que a coisa foi séria e Jesus pagou o preço na cruz e ressuscitou para que possamos compreender e viver a sua mensagem.

Na próxima publicação daremos sequencia a reflexão.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

terça-feira, 19 de outubro de 2021

O PROTAGONISMO DO MINISTRO DA EUCARISTIA NA ATUALIDADE.

O povo de Deus, quando consultado nos tempos bíblicos, sempre escolheu o lado sombrio e foi na contra mão da vontade do eterno a exemplo do tempo dos juízes quando escolheram Saul e outros momentos bíblicos nos tempos de Moisés em especial mais tarde quando Pilatos lavou ás mãos diante da opção do povo por: Barrabás.  

Não sei de onde nasceu o sentimento ou a expressão de que a voz do povo é a voz de Deus, no entanto é possível que o povo por vezes foi levado a escolher o lado errado da história, porque suas consciências foram manipuladas desde o berço para a manutenção das estruturas com as promessas de milagres e poder com benefícios de governos desse mundo que se alimenta da ingenuidade daqueles que sofrem.

Com essa provocação, penso em levar os amigos a refletir, a 1° parte de 3 reflexões que publicaremos em breve do porque nadamos, nadamos e a sensação que temos é que morremos ou estamos morrendo na praia.

Em uma noite antes da pandemia, funcionários da cúria realizando formação no intuito de no final, realizar a venda de livretos; de repente um irmão de pastoral me cutucou e disse: Já é tarde amigo, todo dia, preciso me levantar ás 4h30 da manhã para chegar no trabalho ás 7horas, será que esse pessoal da cúria, se não fossem funcionários de venda, estariam nas paróquias até tarde da noite?

De um jeito simplista através de nosso ponto de vista particular, vou levá-los a perceber e compreender o que está oculto na real problemática da fumaça na estrutura de uma diocese, paróquia com as dezenas e dezenas de pastorais, movimentos, organismos, associações.

No passado recente as formações em forma de uma espécie de padaria, trabalhava para uniformizar ás consciências, onde todos saiam meio que acreditando que o mosaico é a riqueza da Igreja, mais na prática isso é uma Igreja fragmentada e quanto mais pastorais, movimentos, mais a Igreja foi sendo dividida e diante da conjuntura, hoje a necessidade da sínolidade em tempos onde muitos ficam em cima do muro com as soluções fácil, formando através de clube de afinidades, coordenações que por vezes não possuem agentes pastorais fora do conselho e já não representa pastorais e movimentos, em especial o povo de Deus.

É dentro desse contexto também que o sacerdote recém ordenado sai do seminário entusiasmado com a nova evangelização e por vezes sem primeiro fazer a experiência de vigário, pároco, trabalhando em uma paróquia, já assume por afinidades ou corporativismo a coordenação de uma pastoral ou movimento a nível de diocese e ás vezes, pouco tempo depois já é nomeado Bispo.

Enquanto isso nas comunidades de comunidades o povo de Deus, sofre ás consequências e quando chega o novo pároco ou bispo, ás vezes são como políticos que não dá sequência a trabalhos e deixa no esquecimento tudo o que já foi feito e fomenta campanhas de marketing com objetivo de aumentar mais pastorais por afinidades com as mesmas pessoas das velhas pastorais e assim articula a manutenção das estruturas e sem perceber vai produzindo gerações de radicais.

Parece que ninguém é culpado da problemática pois a séculos o sistema sempre foi assim e ai a importância do Papa Francisco em nosso tempo, reconstruindo a Igreja e o Sínodo é SIM um começo pois vai escutar a todos.

Dito isso nos dias atuais o testemunho cristão católico dos MECE: Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística, estes sentinelas estão carregando a cruz de Cristo nas costas e se tornaram os grandes protagonistas na catequese da transmissão da Fé,  realizando celebrações de corpo presente, levando aos cárceres existenciais o pão vivo que desceu do céu aos enfermos e idosos das periferias com a Palavra de Deus e a presença de Jesus ressuscitado na EUCARISTIA.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino



domingo, 10 de outubro de 2021

CARO TEÓFILO COMO ESTÁ Á MISSÃO?

Na busca de conhecer os mistérios que governa o universo, organizações secreta nasceu com a civilização em meio a sociedade da Babilônia no antigo Egito, Pérsia, Síria, com objetivo de conquistar o monopólio dos templos para controlar os rumos do povo na sociedade através da arte do sistema político de governar. 

Irmãos: em nosso tempo para vencer os principados que são como vírus nos ares, precisamos reconhecer que o mal existe e com muita humildade, recomeçar na escola de Jesus, reaprendendo tudo de novo, voltando ao início de tudo a ser como uma criança.

Me lembro quando ainda era uma criança de rua e certo dia encontrei pelo caminho em minha cidade natal o Pe.Vitor Coelho que vinha pela rua empoeirada, segurando em um dos braços a imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Pe.Vitor Coelho parou em minha frente, segurando a imagem de Nossa Senhora e colocou a mão sobre a minha cabeça e olhando em meus olhos, disse: Nossa Senhora gosta muito de você e da missão que Deus, preparou.

E na inocência de uma criança, olhei para a imagem de Nossa Senhora e disse: Padre, então fale para a mãe de Jesus que estou cansado de sofrer, por não ter o que comer e não ter o que vestir. O padre retirou do bolso um terço e me deu e depois daquele dia a vida de nossa família foi melhorando com as graças de Deus.

Em tempos de missões, visitando uma família em um bairro da periferia, a senhora do lar, viúva me dizia: missionário eu ainda era jovem, quando precisei alugar o salão paroquial em minha juventude para fazer a festa do casamento e agora, depois de mais de 40 anos, pensei em alugar novamente o salão paroquial para reunir em uma festa os meus filhos, netos, amigos e fiquei surpresa em saber que as dificuldades foi a mesma de minha juventude, pois o conselho a coordenação que administra o salão a paroquia ainda são as mesmas pessoas de 40 anos atrás, com os mesmos critérios e porque não acontece renovação?

O Papa Francisco sentindo muita vergonha, diante dos abusos na França e outros países em sua mensagem no ângelus do último domingo (3), levou o seguimento cristão à refletir e rezar diante da triste realidade, no entanto de nosso ponto de vista particular ao visualizar ás mensagens que chega, vez ou outra a este veículo de comunicação, nos faz pensar que os abusos não é fruto apenas de uma tentação pessoal e sim de uma organização muito maior, á sociedade secreta. 

Diante do contexto o que fazer?

Á décadas estamos trabalhando que a saída para a problemática é a Igreja doméstica, com subsídios bem preparados para a nova evangelização e até com parte dos sacramentos sendo realizados, naquilo que denominamos: áreas missionárias que são pequenas "dioceses da Igreja doméstica"no entanto o que nos parece é que diante da conjuntura do mundo eclesial é preciso uma profunda reflexão, sabendo escutar para depois discernir.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino

sábado, 2 de outubro de 2021

OUTUBRO: MÊS MISSIONÁRIO, MÊS DE NOSSA SENHORA, TEMPO DE MISSÕES!!

Com a força das mídias á décadas a religiosidade sem espiritualidade, vem influenciando e deixando a nossa geração doente e sem consciência critica.

A partir dai o homem de nosso tempo preenche as suas lacunas na busca do culto ao corpo, procurando uma religião a seu gosto, buscando a felicidade no aplauso e desta forma se preenche as suas carências afetivas de onde nasce em nosso tempo o grande mercado das seitas.

Dito isso é urgente um olhar a realidade da conjuntura social e com consciência critica, comunicar com competência e maestria estratégica para que ás próximas gerações conheça ás forças do sistema cruel que governa o mundo.

Amigos: quando fomos batizados, não recebemos o batismo em nome dos donos de comunidades ou em nome das milhares de denominações eclesiais que estão esparramadas por ai no mundo.

Caminhando pelas periferias existenciais, por vezes, penso nas recomendações do apóstolo Paulo a seu discípulo, quando com empatia diz: lembra-te de Jesus Cristo, ressuscitado dentre os mortos, que eu anuncio e pelo qual sofro.

Em nosso tempo, organização secreta, seitas, causou a descristianização através da fumaça dos tradicionalismos e outros "ismo", presente na sociedade e hoje, com dificuldades o resto dos cristãos já idoso que sustenta com aposentadorias ás comunidades, estão remando para o martírio em meio a ventania do deserto, com objetivo de manter aceso na escuridão a chama da lamparina na firme esperança que você acorde do sono em que dorme e receba a chama da missionariedade cristão e tenha força para remar, rumo aos desafios da nova evangelização.

Todos nós do seguimento cristão, fomos batizados: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo e a partir dai, somos parte do Corpo de Cristo e isso é mistério da FÉ.

Diante do contexto, penso na ação do eterno, quando o mensageiro comunica a Maria que ela foi escolhida para ser a Mãe do filho de Deus e diante do anuncio a jovem não se fecha em si mesmo para receber o aplauso as honras, prestígios, riquezas, glórias, poder; e na contra mão do sistema do mundo, Maria sai correndo ao encontro dos que sofrem e vai levar esperança no difícil caminho do deserto e ao encontrar a idosa Izabel sua prima grávida; Nossa Senhora faz memória da ação de Deus na história do povo que sofre e anuncia a vontade do eterno dizendo: que sua misericórdia se estende de geração a geração. 

Em nosso tempo quem quiser ser influente no presente para mudar a conjuntura do mundo atual, precisa amar o povo que sofre, sabendo escutar para saber discernir e com maturidade na fé, anunciar até ás últimas consequências. 

Eu não sou carismático, mais se você leu até aqui: AMÉM!!

Nas próximas publicações daremos sequencia a reflexão.

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino


domingo, 19 de setembro de 2021

O QUE FARIA SÃO VICENTE DE PAULO: DIANTE DA CONJUNTURA DO MUNDO ATUAL?

 Mês da Bíblia e com está mensagem penso levar os amigos à refletir o que faria Pe.Vicente de Paulo nos dias atuais, diante da conjuntura eclesial e das pandemias que estamos vivenciando no mundo, hoje.


Em nosso tempo, corre se o risco de nós cristãos católicos ficarmos aprisionados em uma sala, reunião ou em uma assembleia com os escritos de nossa biblioteca e esquecermos a ordem de Jesus a seus discípulos e o tesouro que possuímos através de nossa profissão de fé, esquecendo da ação do eterno na providência divina. 

Conheço um homem que chegou ao terceiro céu e viu os governos desse mundo e o seu fim.

Deus é misericordioso e fala em nosso tempo, em nossa consciência, também, através dos fatos cotidianos da história que acontecem na casa comum e são noticiados pelas mídias na sociedade e suas consequências com o fenômeno do nascer e por do sol.

Amigos; nos dias atuais alguém dizer que é católico já não significa nada e particularmente sinto que precisamos ser cristãos ou seremos mais um em meio a multidão como que um pagão.

É dentro deste contexto que nos dias atuais precisamos da ação do espirito missionário cristão de São Vicente de Paulo.  

Pe.Vicente de Paulo não foi analfabeto institucional e soube com sabedoria fazer a leitura do tempo, sendo o protagonista do coração do evangelho e com a força da boa notícia, alimentou os mais pobres em suas necessidades materiais e espirituais. 

E como sair da paralisia e construir o reino do eterno?

Nos últimos 20 anos, uma Paróquia Vicentina foi uma das pioneiras no rito do catecumenato com o Pe.Gilson Camargo CM e no transcorrer da década para aumentar o número de catecúmenos e obras da Fé, aconteceu um projeto missionário denominado: Áreas Missionárias que revolucionou a Igreja doméstica no setor e outras regiões fora de Curitiba, germinando catecúmenos na Paróquia Vicentina até o momento atual através da ação missionária bem organizada que teve início com a motivação: Pe.Marcos Gumieiro CM e o Pároco: Pe.Simão Valenga CM. 

Nos últimos anos em especial com a pandemia e falecimentos nas áreas, muitos se desmotivou.

Sugestão 2022: As Irmãs Vicentinas com a Imagem de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa poderia fazer o oratório e assim se possível com ajuda do Pe.Marcos Gumieiro, Pe.Simão Valenga, que são conhecedores do projeto das Áreas Missionárias e demais co-irmãos, poderia dar ênfase, melhorando e motivando o trabalho missionário em todas Paróquias Vicentinas e assim até: São Vicente de Paulo, Nossa Senhora e seu filho Jesus, vem ao nosso encontro nos ajudar e agradecer com um forte abraço ás iniciativas e motivações da construção do reino de Deus. 

Nossa Reflexão: Tarcísio Cirino