quinta-feira, 15 de abril de 2021

O QUE ESPERAR DA 58° ASSEMBLEIA DOS BISPOS?

Tempos atrás, visitando um amigo que trabalha com o povo de rua, durante o diálogo o amigo com olhar cansado preso no horizonte, de repente, desarmado de qualquer pretensão, em tom de brincadeira, risos, dizia: Sabe a culpa da omissão dos cristãos em nosso tempo é do Imperador Constantino, pois este foi um oportunista, que encabelou ás humildes comunidades cristãs e no transcorrer dos séculos a tentação do poder, entrou pela porta das comunidades de fé e hoje somos reféns do sistema imperial que está ai. 

Não temos mais tempo para brincar de ser igreja, pois como a corrente de um rio que arrasta tudo o que encontra pela frente, vivemos uma pandemia sistêmica, onde somos governados por decretos, e parece, que o que importa não é o altar e sim o ouro que alimenta o sistema de César.

Dito isso, em tempos onde a PALAVRA, não é encarnada e sim instrumentalizada é preciso uma sã reflexão, diante da conjuntura atual, onde convivemos a triste realidade de milhares de óbitos, dia, sobrevivendo nós pela ação de Deus, em meio a decretos.

Todos nós do segmento cristão, deveríamos ter consciência que no plano da salvação, fomos feitos para a missão do reino de Deus, para proteger a vida e no entanto, se o prefeito, governador, emitir decretos, autorizando o culto, com 50% à 100% da capacidade do templo, pastores que deveria ter consciência em proteger a vida, é possível que serão omissos, abrindo o redil para o sacrifício das ovelhas.

Parece que a culpa não é de Constantino e sim da formação das consciências que durante séculos, transformou  o missionário em apenas um rezado de missa e hoje, presos nas sacristias, não sabem o que fazer, pois Igreja em saída é coisa de Francisco, para os leigos e diante da conjuntura atual; o que esperar da 58 assembleia dos bispos do Brasil?

Neste sistema cruel do mundo ultramoderno, é missão da Igreja, promover iniciativas para atrair trabalhadores ao chamado e com amor, contribuir com a ciência, através das ferramentas disponíveis nas redes digitais, para o fim da enfermidade na reconstrução da Igreja

Diante do contexto, é preciso dar passos estratégicos, com sabedoria e repensar a rede, que são as células doméstica, pequenas comunidades, pois a rede de hoje, não é como dos séculos passado, e não basta recursos financeiros para ás carências é preciso discernimento na escolha dos fios para que a rede suporte a pressão do sistema cruel que vem pela frente, e à família sobreviva a pandemia, levando  esperança, ás futuras gerações, e possam transmitir a herança da fé, que sobrou das riquezas do povo do resto de Israel.  

Porque Creio? É a reflexão pessoal, a chave que pode ajudar nossa espiritualidade na conjuntura atual, e nos levar a uma experiência singular, diante dos desafios do mundo moderno, onde o caminho mais seguro é possuir a chave da lectio divina, que abre o sacrário de nossa consciência, para compreender a voz que grita no silêncio das profundezas de nossa alma, e nos leva a seguinte reflexão: Porque Creio?

Porque o verbo se fez carne, é nossa missão eclesial, levar o cerne de nosso apostolado, para além das portas do redil, pois a fé é um tesouro, um dom concedido por Deus, e graças ao SIM da Mãe de Deus, que culminou no projeto da salvação, esmagando a cabeça do mal, temos hoje a Eucaristia, que nos dá força na comunhão com a rede de irmãos, sem medo das consequências com os desafios, pois, confiantes que a esperança jamais nos frustrará, navegamos na luz, em tempos de transmissões pelas redes sociais, rumo ao encontro definitivo com o Pai, através de seu espírito que caminha conosco. 

Nossa reflexão: Tarcísio Cirino

15-04-2021

quinta-feira, 1 de abril de 2021

BORA - RECONSTRUIR A IGREJA - A TODOS UMA FELIZ E SANTA PÁSCOA.

 

O véu do santuário - se rasgou e assim, Deus cumpriu a sua missão, pois. diante do mistério, todos são chamados, mais poucos são escolhidos

Nos dias atuais, não é fácil até para os anciãos e intelectuais, compreender, que o velho templo morreu e agora é preciso nascer de novo, conforme os tempos da Igreja primitiva.

Pregadores, dizem por ai, que, para encontrar à paz, felicidade, é preciso um encontro pessoal com o filho de Deus, no entanto, muitas vezes esse encontro acontece no caminho, mais na prática o nosso testemunho de vida, ás vezes mostra, que nosso encontro pessoal com Jesus, foi para interesses pessoais, e denota, que na prática, não acreditamos em sua Palavra e assim é impossível transmitir o depósito da fé. 

Parece que a , não foi transmitida na escola, seminário, faculdade, universidade, templo, e SIM a transmissão aconteceu através de nossa família, os nossos, Pais, na Igreja doméstica.

O tempo propicio para a missão da Igreja, no que se refere a catequese da transmissão da fé, na Igreja doméstica, não é o mês de outubro e SIM a partir da Páscoa, com à ressurreição de Jesus. 

E porque ficais aí parados?

Após a ressurreição de Jesus, a missão da Igreja é com você, nós, através de nosso testemunho de vida, pois a Igreja é o povo de Deus, e por isso a Igreja de Jesus Cristo, nunca morrerá.

De nossa parte, estamos trabalhando em equipe, através de nossos grupos de WhatsApp, redes sociais e assim que o povo estiver vacinado, vamos sair como missionários, pelas casas, falando do amor de Nossa Senhora, seu filho Jesus e vamos esmagar a cabeça da serpente, reconstruindo à Igreja. 

Você já imaginou começar a construir o reino de Deus, através do seu testemunho de vida, transmitindo aquilo que Jesus, fez e faz, em sua vida, em sua história familiar e de comunidade? 

Sabemos que não é fácil, falar de nossas experiências de , mais você pode nos enviar a sua história que publicaremos, conforme o meu relato à baixo. 

7 anos depois que recebi o batismo, começou á epidemia de meningite no Brasil, e segundo os médicos fui a terceira criança, atingido pela forte epidemia do Paraná, no inicio da década dos anos 70.

Só existia um hospital na cidade que atendia a região e mesmo lotado, e com muitas dificuldades financeiras, meus Pais, conseguiram o internamento.

No anoitecer daquele dia o médico, informou meus Pais, que a situação era grave, pois a meningite tinha me colocado em estado de coma e agora, só um milagre.

Ao amanhecer o médico, informou que o cérebro não suportou a dor e sofreu uma morte cerebral, mais o coração ainda que fraco, estava vivo, por pouco tempo e pediu ao meu Pai que diante da situação, providenciasse o sepultamento.

Minha mãe entrou em parafuso, e disse ao médico; mais eu sou filha de Maria, sou católica, sou do sagrado coração de Jesus, não posso aceitar isso, eu quero o meu filho de volta, quero a minha família de volta.

A enfermeira procurou consolar minha Mãe e meu Pai, dizendo: Já que vocês são cristãos é preciso aceitar a vontade de Deus, veja o lado bom, caso o seu filho sobrevivesse a essa doença, vocês teria muitos problemas para o resto da vida, e financeiros, com uma criança em cadeira de rodas em situação difícil,pois existe dois tipo de meningite e a do seu filho é a mais grave, então pode ser que Deus está acolhendo para livrar dos sofrimentos.

Naquele quarto tinha uma imagem de Nossa Senhora, e minha Mãe em lágrimas, começou a conversar com Nossa Senhora dizendo: Eu só tenho um filho, somos pobres, não temos recursos financeiros e tudo que temos, estamos perdendo, eu não posso aceitar isso; Ave Maria cheia de Graça, eu quero o meu filho de volta.

Enquanto meu Pai, por orientação do médico, foi até a funerária para providenciar o sepultamento, minha Mãe ficou ali, em oração: Ave Maria cheia de graça, eu quero o meu filho de volta, por favor és a nossa advogada, intercede por nós, diante de Deus, por nossa família, eu sou sou católica e de repente meu Pai chegou da funerária, entrou no quarto com a enfermeira o médico e naquele momento, eu voltei.

Agora eu sou um moço velho, que já sofreu muito e com dificuldades, estou, trabalhando e caminhando em passos lentos, para reconstruir a Igreja, rumo ao encontro definitivo com o Pai.

Shalom: Desejamos a todos uma Feliz e Santa Páscoa.

Tarcísio Cirino

01-04-2021